Arquivo de fevereiro de 2009

Um dia quente

sábado, 28 de fevereiro de 2009

img00047

Um dia quente demais.
O vôo foi mais tranquilo do que esperava.
Flores.
Comida.
Descanso.

Sexta, a esperada…

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

photo-116

Sexta-feira é aquele dia lindo.
Nasce já focado no fim do expediente.
E lembrando que ainda temos sábado e domingo pela frente.
Eu comecei agitada.
Saí cedo com a Alice.
Fiquei elucubrando como poderia ser um novo projeto – com um pé em cada canoa.
E aí a gente voa.
Pausa na hora do almoço para… Ir ao médico.
Que me disse que minha tiróide tá ok, que estou normal, não preciso de remédio, de nada.
Mas tenho que ficar de olho porque a bicha pode pirar a qualquer momento.
Ainda não almocei.
Mas o projeto está escrito.
Faltam orçamentos para reforçar.
Mas tudo pode acontecer.
Por aqui, naquela marolinha de sempre…
Devagar se caminha.
Até que o tubarão nos atropele…
Ontem dormi cedo. Faz duas semanas que não malho.
Carnaval e cerveja têm dessas coisas.
Colômbia no meio…
Amanhã pego mais um avião.
Tenho que arrumar meu mapa do blog.
Volto na segunda de noite.
Penso nos aviões que caem em rios, nos que se partem em três.
Acho que – depois dos vôos que já peguei – é mais fácil eu acertar na loteria.

Sexta-feira é como uma das mulheres de Jorge Amado.
Até que chegue, você não consegue pensar em outra coisa.
Sendo homem ou sendo mulher.

O seu trabalho é chato?

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

caos1

Notícia sensacional que saiu no Daily News. Uma fofa de 16 anos escreveu no facebook que o trabalho dela é um saco, os chefes leram e ela foi demitida.

Fico pensando: quão quadrado pode ser o mundo corporativo? Quantas vezes isso acontece?
Eu mesma tive uma analista que passou por isso. Ela veio do RH de uma super empresa e caiu numa empresa em start up. No lugar de coordenar cursos de formação, eventos e outras coisas empolgantes, ela tinha em mãos um trabalho chato de folha de pagamento.
Óbvio que não estava gostando…
Óbvio que a chefe do RH também notou…
E a chefe dela me perguntou – na época eu gerenciava o marketing – se eu não receberia a analista na minha área.
Pensei comigo: a menina é inteligente, com boa formação, o que pode ser um desafio para ela?
E ofereci para ela a abertura de uma área nova, a de pesquisas de consumo.
Ela topou, a psesquisas renderam, e fomos felizes até a empresa – de construção civil – dançar na onda da criseXdespreparo.
autofalante2
Temos que ser justos: a chefe dela foi inovadora. Percebeu o problema e buscou a solução.
Eu fui louca.
Ela era louca.
E fomos todas felizes.

E é tão difícil ser feliz no trabalho.

Se a moda pega… Eu mesma sou forte candidata a ser ejetada da cadeira.
Mas com louco não se brinca… Risos.

Para ler a notícia na íntegra:
Em português: tinyurl.com/bbo653
No original, em inglês: tinyurl.com/bf8uk8

Flashes do carnaval

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

p2220052
Foi assim que tudo terminou… Os blocos do Rio se reproduziram enlouquecidamente.
Acertar a hora, o lugar, o melhor, tudo ficou mais complicado.
Os melhores – que antes saiam de noite – agora saem 9h da manhã.
E haja saúde, disposição, sol na cara para enfrentar a maratona.
Imagine a cena: 8h da manhã. Você tomando aquele café da manhã reforçado, com maçã, banana, iogurte, granola. Aí, momento maquiagem completa. Com cílios postiços – bien sur! E fantasia. 9h horas da manhã, Cosme Velho, você tentando pegar um táxi. E vai para a Praça XV, reduto de prostitutas e shows – em dias normais – para esperar o Cordão do Boitatá.
p2220062
O bloco dá a volta olímpica de 2 quarteirões. A cerveja já rola solta. O calor, infernal. Crianças e carrinhos de bebê são jogados para os lados. Uma equipe da prefeitura que trabalhava num duto de água é simplesmente pisoteada pelos foliões. Bêbados, loucos, carnavalescos, eu e mais milhares estávamos lá. Você canta, você cansa, você é empurrado pela multidão, você não acha mais tanta graça. Você ganha fôlego, arruma o tutu e vai para frente da bateria – lugar mais estratégico para não ser “comido” pelos selvagens de fantasia.
p2220036
A melhor fantasia – para mim – foi a de Michael Phelps: calção, touca, óculos e um baseadão na mão. Um gaiato foi apenas com uma plaquinha com os dizeres: “Cielo também fuma!”. As fantasias de Paula Oliveira e de Amy Winehouse foram as mais sem graça – imaginação zero. Um moço foi de temaki – tava ótimo! E os arquinhos com molinhas e urubus do Flamengo, bolinhas, corações, galhos coloridos – esses foram o maior hit. Junto com as velhinhas orelhinhas da Minnie. E o povo colorido de azul, fantasiado de smurfs, o povo colorido de mangueira – para isso tem que ter coragem. Nesse calor…
p2220017
Mas o fato é que o Rio virou um grande banheiro público.
Não havia banheiro químico para essa multidão, não havia policiamento, não havia estrutura. E a graça dos blocos ficou mais uma vez apagada pelo excesso…
Enfim. O melhor do carnaval foi o sol – que brilhou forte e deu praia todos os dias… O Bibi – com seu açaí imbatível.
Os restaurantes – que não estavam lotados. A não ser que vc seja mané e tenha feito fila no Sushi Leblon.
E a alegria do folião carioca – de todas as idades. Que saiu feliz e fantasiado até para comprar um pão na padaria.
O metrô, colorido.
Os confetes de papel.
E a cerveja sempre gelada.
E o tempo que eu precisava para pensar na vida.
E me jogar em outra aventura profissional. E dar as costas – mais uma vez – para o mainstream.
Afinal, diz o macaco, quem fica parado é poste.

p2220045

Abaixo, alguns flashes do carnaval.
Cielo, dizem, também fuma…

p2220038

Alice visitou a rua homônima e posou como um totem…

p2230079

Depois, fez novos amigos… E se deram bem, acredita?

p2230069

Pré-carnaval

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

carmelitas
Para mim, carnaval é ir no sábado cedo (quando é possível, ir na sexta de tarde) no Saara (RJ) e rodar pelos camelôs para ver os hits do ano. Os óculos, as máscaras, as músicas que vão bombar.
Depois, passar na casa Turuna e comprar plumas, paetês. Já comprei tatuagem de estrass, coroa de princesa, penas, cílios postiços, meia arrastão, peruca black power…
E pacotes de confete de papel! Todo mundo adora. As crianças, os velhos, todo mundo. Afinal, é divertido e não incomoda como aqueles sprays chatos que te deixam molhado e manchado.
Aí, com a produção feita, tirar do armário minha velha saia de tule e caprichar na maquiagem.
Tem que ser à prova d´água.
Nos pés, uma bota velha, de salto, claro. Daquelas que enfrentam calçadas de pedra portuguesa e chão molhado de líquidos estranhos.
O cabelo, que começa lindo e liso, termina bagunçado num coque.
Sair nos blocos de rua.
É de graça, é non sense.
A gente vê quem não via.
Ri das fantasias.
Antes eu gostava de ir nas Carmelitas, mas ficou cheio demais, perdeu o estilo. E a polícia também mudou de lugar e a graça do bloco acabar o giro em frente à delegacia acabou…
Hoje dizem que os melhores saem de manhã.
Mas de manhã cedo é a hora mais bacana da praia.
Os velhos, as crianças, os bêbados.
O sol quentinho, sem ferver.
Adoro o Rio no carnaval.
Adoro carnaval.

Programação de amanhã no Rio

Alice pronta para o samba com colar de havaiana

Alice pronta para o samba com colar de havaiana


5h Embaixadores da Folia Av. Rio Branco com Rua São Bento, altura da Praça Mauá
9h Cordão da Bola Preta Cinelância, Teatro Municipal (Centro) – RECOMENDO
9h Céu na Terra Largo do Curvelo (Santa Teresa) – TALVEZ EU VÁ
11h Pega Pra Sambar Gomes Freire, esquina com Rua do Senado (lAPA)
12h Bloco da Viúva Rua Gomes Freire (Lapa)
12h Bloco dos Cachaças No Trailler em frente ao n. 3602 da Av. Sernambetiba
13h Beco do Rato Rua Joaquim Silva
14h Bloco dos Cachaças Barraca dos Cachaças (Rua Dias Cruz, 335)
14h Bloco do Caveira Final Marques de Olinda (Botafogo)
14h Turma do Gato Bar do Gato, Rua Djalma Dutra (Pilares)
14h Dois prá lá, dois prá cá Rua Álvaro Ramos 11 (Botafogo)
14h Aconteceu Bar do Gomes (Rua Áurea com Monte Alegre) FICA MUITO CHEIO – VÁ A PÉ
14h O Remédio é o Samba Av. Atlântica
15h Banda de Ipanema Praça Gal. Osório com R. Teixeira de Melo – SUPER GAY
15h Barbas R. Arnaldo Quintela com Assis Bueno (Botafogo)
16h Devassos da Cardeal Bar do Galo, Rua Cardeal Dom Sebastião Leme
16h Cordão do Prata Preta Rua Sacadura Cabral
16h Se Não Quer Me Dar…Me Empresta Rua do Lavradio, 90
16h Carioca da Gema Rua do Lavradio
17h Carioca da Gema Casa da Matriz, Rua Henrique Novaes (Botafogo)
17h Laranjada Samba Clube Praça do Chorinho, R. General Glicério
17h Empurra que Pega Praça Cazuza (Leblon)
19h Zumbi de Pilares Largo de Pilares (Pilares)

Trabalho em casa, adios Cartagena e… aiaiai!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Tucano

Tucano

Imagens de Cartagena. Um tucano – que achei que fosse bicho de pelúcia – menor do que os nossos e com bico azul, vermelho e verde. Ele mora no pátio central de um dos hotéis mais caros da cidade, o Santa Clara. Ruas da cidade. Juro que pensei que estivesse em Havana Vieja. As ruas – com edifícios coloniais espanhóis -, o povo, o sotaque, o mamey vendido por camelôs, tudo é muito cubano.
Impressionante!p2180052 Eu me senti em casa… E poderia ter ficado caminhando e entrando em suas lojinhas que vendem tabaco, comida, cartões feitos a mão, esmeraldas, chapéus panamá (hechos en Ecuador)… A gente, no Brasil, se acha meio europeu, não combina com essa cultura colorida, suada, negra, latina, bagunçada, falante. Mas a gente é igualzinho. Talvez menos coloridos. E mais complicados. Agora eu entendo porque os cubanos me achavam cubana na ilha. Eu: com essa cara européia? Européia da Rocinha, isso sim… p2180068Agora um causo da volta no avião. Eu e a equipe inteira do Palmeiras, incluindo o wanna be, Wanderley Luxemburgo, embarcamos. Como os jogadores são novos e altos. Impressionante. Na minha frente, um colombiano de meia idade e a esposa, uma loura mais nova. O cara surtou no voô… Surtou! Bateu palmas, gritou, bebeu, ficou agachado no corredor procurando um objeto imaginário, bateu na cadeira, comeu a comida da mulher. Elogiou o Chef (do restaurante?). E eu e a turma do Palmeiras – que já tínhamos sacado que não iríamos dormir, ficamos rindo a noite inteira. Quase que demos um tranquilizante para o cara. Mas vai que ele empacota? A desconfiança é que ele cheirou um pacote de pó antes de embarcar. E alucinou no vôo.. Isso sem contar umas travecas colombianas – calça verde, chapéu rosa – que vieram para o carnaval do Rio, mais precisamente para o Gala Gay. Me senti numa guaga cubana a caminho de Baracoa. Uma fauna completa. Uma loucura. Cheguei em casa – depois de enfrentar um trânsito básico na marginal – completamente acabada. Afinal, vim numa rave aérea… Dormi até duas da tarde… Trabalhei em casa hoje. E como é bom, como é bom.
Aí, notícia do dia. Recebi uma nova proposta de trabalho que me deixou desnorteada. Cuidar de uma marca – importadora de vinhos – em SP. A marca tem clientes bacanas: Fasano, Garcia y Rodrigues, etc. Aiaiai. É coisa quase que da família… O que eu faço eu não sei. Mas estou tentada… Como falei em posts passados, o mundo cigano tem dessas coisas. Poucas amarras, muitos amigos…

Da série: eu já sabia

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Deu na BBC:

Terra pode estar abrigando vida ‘alienígena’, diz cientista

A Terra pode estar abrigando várias formas de vida alienígenas, completamente dissociadas dos seres vivos já conhecidos, segundo um cientista da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos.

Em uma apresentação durante a conferência anual da Associação Americanamarn33l2 para o Avanço da Ciência (AAAS, na sigla em inglês), em Chicago, o físico Paul Davies disse ainda que essas “vidas paralelas” podem estar escondidas em locais inóspitos, como desertos, lagos de sal, fontes hidrotermais e áreas com altas temperaturas e radiação solar.

Davies afirmou ainda que várias desses “seres estranhos” podem estar vivendo entre nós, em formas que ainda não são conhecidas.

Eles fez um apelo para que a comunidade científica lance uma “missão à Terra” para vasculhar ambientes tidos como hostis em busca de sinais de bioatividade.

“Não precisamos viajar a outros planetas para encontrar formas de vida estranhas. Elas podem estar bem aqui debaixo de nossos narizes”, disse.

 

Eu conheço ambientes hostis… Acho que vi um alien…

Comida!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Arepa

Arepa

Que comida é essa!!!
Desde o tempo em que morei em Cuba, não sentia esses sabores. E olha que em Cuba qualquer sabor é muito benvindo…
Arepa é uma espécie de panqueca feita de milho sem casca. Coloque queijo e um pouquinho de manteiga – e você vai para o céu. Para os carnívoros, a sugestão é pimenta e carne de porco e de vaca desfiada.
A primeira vez que comi arepas foi com duas amigas, Juana – que é Venezuelana – e Rebeca – de Porto Rico. Elas prepararam os bolinhos no jantar e colocamos um queijinho por cima. Nas épocas de batata, batata e batata – que são comuns em Cuba – eu sonhava com o açaí do Bibi (confesso que tinha foto dele) e… Arepas.
Essas panquequinhas são comidinhas ideais para o café da manhã. Saborosas e fortea o suficiente para segurar a fome até a hora do almoço. Ontem, comi no jantar. Comi feliz.
Tamales

Tamales

Os tamales, também de milho, também são outra maravilha que, na Colômbia, vêm com bananas cortadas em lâminas muito finas, fritas. Em Cuba, chicharitas.
É de dar água na boca.
Sem contar as sopinhas com aji, com pimenta.
E eles misturam molhos agridoces com comida salgada. Tudo com uma cor bem linda, de framboesa ou cereja…
É muito bom…
No café da manhã, tudo de novo.
E eu só no ovo mexido com suquinho de laranja para me segurar até o carnaval.
Mal posso esperar pelo almoço…

Bogotá

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009
Transito no momento em Bogotá. Não confunda com a Marginal...

Transito no momento em Bogotá. Não confunda com a Marginal...

Minha semana começou lindja!
Cinco e meia da manhã – agradecida e feliz com o fim do horário de verão – acordei do meu sono de beleza.
E parti com minha maleta para o aeroporto de Guarulhos.
Ao chegar, fila pequena no check in da Avianca.
E, claro, como não poderia deixar de ser, não encontraram meu nome na lista de passageiros.
Para ganhar na MegaSena, o sistema da empresa era novo. E estava constantemente fora do ar.
Eu – com um humor ótimo – levei tudo na esportiva.
Afinal, nada mais me supreende e estou entendendo a teoria do caos.
A fofa que cuida das passagens da minha empresa pediu uma passagem para… Ontem!
Mas, como tenho meus contatos, resolvi o problema.
E depois passei pela fase troca de emails quando a fofa botou a culpa em mim: mandei muitos emails e ela se confundiu. Tadinha!
Gentem, ela não pode receber muitos emails…
Quantos vc recebe por dia… Eu recebo cerca de 300…

Embaquei no AirBus novinho numa fileira de quatro cadeiras só para mim, com destino a Bogotá.
Assisti dois filmes: Vicky Cristina Barcelona e Elisabeth I.
O primeiro é filme para mocinhos.
O segundo é um filme bacana.
Ainda consegui ver duas séries de TV.
O vôo é longo – com direito a café da manhã e sanduíche no almoço.
Chegando em Bogotá, filão na imigração. Três gaúchos manés dando em cima de uma loura suspeita.
Peguei minha mala e tome aduana, tome revista erótica (a policial deveria ser processada) e raio-x.
Tome troca de grana, tome táxi, tome hotel.
Calor da p* a 2600m de altitude.
E aí, para não dizer que não falei de flores, o tempo fechou, tudo ficou frio e diferente.
Clima perfeito para trabalhar.

E o trabalho é tamanho, que estou na labuta. 20h do Brasil, 18h de Bogotá…
Eu, um pouco cansada, já não sei se falo espanhol, português ou inglês. Talvez italiano.
Socorro!

Detalhe: Bogotá tem um sistema de rodizio lindjo. Os carros sao impedidos de circular por dois dias inteiros da semana. Se a moda pega, ai, ai, ai…

Família vende tudo

domingo, 15 de fevereiro de 2009

urbano-1

Essas placas são moda em São Paulo.
Imitando os americanos, as famílias que estão mudando botam as quinquilharias na garagem (daí o garage sale) para fazer algum dimdim e se livrar de coisas que não usam mais.
Curioso é que isso começou do avesso.
Vendedores de antiguidade usavam como técnica de venda/marketing: alugavam por um fim de semana casas que estão à venda e levavam seus produtos para lá. Davam um falso ar de família que vende tudo.

Mas o que me encanta nessas placas é a possiblilidade de largar as quinquilharias para trás.
De recomeçar com algum no bolso.
De mandar embora os bodes que se escondem atrás da porta, na gaveta, na caixa de sapato.

Ana vende tudo.
Vendo meus diplomas, meu inglês e meu espanhol – e são fluentes! Vendo meus ex-namorados.
Vendo um ex-chefe insuportável, um ex-colega de trabalho problemático, vendo quilos que estão sobrando, vendo um carro com as prestações por pagar.
Vendo um trabalho que fica muito longe de casa.
Um trabalho que não me dá prazer.
Vendo um domingo. Troco um sábado.
Vendo tudo o que não me serve mais.
E que pode servir para alguém;
Sai mais barato do que uma experiência nova. E pode ser tão boa ou melhor.

Pensei que iria dominar meu espírito cigano.
Mas, com sua saia de mil babados, com seus brincos, anéis, correntes, pulseiras, ele está me incomodando.
Não basta uma viagem de trabalho, não basta Peru, Chile, Argentina, amanhã Bogotá.
Ele quer levar a casa.
Os gatos. O cachorro.
Topa uma venda de garagem.
E quer mudar tudo de novo..
Lisboa, Nova York, Cidade do Cabo, talvez Samoa.
Do Brasil não falou nada.
Anda pensando no Mediterrâneo.

Domingo de chuva.
O pensamento voa.