Arquivo de novembro de 2013

Se esta rua fosse minha

sábado, 30 de novembro de 2013

Eu mandava prender a polícia e bater no delegado.
No avião cheio de farinha,
pixaria algo do tipo: aqui jaz.

O negócio é andar descalço,
dever horrores na padaria.
Fazer pose de quem pode mesmo com sapato furado.

Aqui do alto da torre,
finjo que nada acontece lá embaixo.

O bom de ser anônima
é não ter medo da plebe.
E sair dando porrada para todo lado.

Inconsequente.

kamikaze

Aquecendo

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Mudando a fórmula

Aquele texto desaforado mexeu comigo.
Dia 13 de novembro e meu salário nem deu sinal.
Meio que perdida numa São Paulo escaldante.
Com unha quebrada, cabelo desalinhado, pijama…
Você finge que me paga e eu não finjo que trabalho.
Cumpri as obrigações matinais e falei para o táxi: me larga em Osasco.
Liguei meu celular, reforcei o laço do tênis e dei uma volta acelerada.
4km e saí pela rua.
5, 6, 7…
Um engarrafamento monstro de toda santa manhã.
Eu correndo e os carros parados, vidros fechados, ar condicionado no último número.
Seu texto do avental e eu pensando que iria rir naquela situação.
Escrevo um texto , um soco em inglês e salvo a mais necessitada do time.
Depois me atiro em meu jardim e passo o resto do dia com as mãos sujas.
Minha Babilônia.
Grama, terra, erva, água, sabão, cheiro de peixe.
Resolvo fazer um molho de tomate alla mamma.
Vou a feira.
Não tenho dinheiro, mas todo lugar aceita Visa.
É a Copa.
3 kg de tomates italianos vermelhos como sangue.
Lá fora o sininho se agita.
Abro uma garrafa de tinto.
E vou aos poucos esquecendo da realidade.

Fotos

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Da série "Ele ainda não está aqui", Flávia Junqueira

Eu detesto foto de grávida.
Acho aquelas barrigas enormes, aquele povo segurando sapatinho de criança, aqueles soutiens expostos – tudo um horror, uma cafonice de novela das oito.
Quem falou que esse troço era bacana?
Foto de casamento, em geral, outro terror de castelo do Drácula.
O beijo, a lágrima, os bracinhos para o alto segurando a taça de espumante.
A mãe toda montada.
A sogra.
Aquela coisa de programa mexicano.

E foto de festa de menino?
Dessas eu gosto.
Balão, doce, brigadeiro, bolo.
Riso largo.
Bagunça.
Foto.
Este negócio de foto.
Foto me cansa.

(às vezes)