Dia desprogramado.

roda, roda, roda

Como cobra no cerrado.
Arrasta-se em diagonal.
Sai de lado.
Dorme sob pedras.
Quente e gelado.
Dia com tudo arrumado.
Nada feito.

Ouro de aluvião.

Arrasta.
Serpenteia e muda.

Um bote!

Assim mesmo, sem permissão.

Escrito por anapessoa

Deixe um comentário