25 nov

Foto criada em 2009-11-23 às 14.20 #4

Experimentando rolinhos no cabelo

Recebi um email da Carine Reis, antiga colega de UFMG. O marido, Carlos de Brito e Mello, outro colega de UFMG, está fazendo sua estréia na Companhia das Letras. O rebento chama-se “A Passagem Tensa dos Corpos”. E quem conta a história melhor do que eu é ninguém menos que Affonso Romano Sant’anna:

http://www.affonsoromano.com.br/blog/index.php?atual=3&min=0&max=4

Quem diria… Temos um escritor de verdade na “velha” turma de 96. E seu apelido é Trovão.
Um moço calmo, discreto como bom mineiro, e… ESCRITOR com livro publicado e resenha de gente grande. Eu pareço a mãe da noiva, sabe? Estou na maior alegria por ele. E penso até em ir ao pós-lançamento (dia 28 não consigo porque tenho um compromisso jurídico, pode!?). Afinal, estou de férias – e férias é para isso mesmo. Para sair de prumo, mexer no passado, pisar nas Minas Geraes e não para rever Nova York, que sempre tem uma festa, mas não tem história.

Quanto mais mexo no meu baú, menos purpurina encontro.
E mais me acho. Que coisa!
Nessa vida de cigana, estou ficando com a tendência inebriante e perigosa de não terminar nada que comecei.
Algumas coisas são faísca, outras passam de uma década. Tudo com começo e sem fim.
E devagar com o andor porque nem tudo tem que terminar. Mas o processo é que tem que ser vivido.
E quando os carimbos no passaporte fazem volume, os processos nunca são vividos.
Esse pular de galho em galho é pura covardia.
No meu caso, eu pulo feito saci porque é da minha natureza.
Mas sou séria com meus processos.
O que acontece é que, ultimamente, a vida tem sido mais rápida que eu.
Eu corro, a vida corre, e não dá tempo de fazer a reflexão.
Mas estou alerta. Positivo. Operante.

O que você fez em 1996?
Eu fiz uma fotonovela para CD-Rom (!!!).
Copiei textos da internet (que era horrível – e citei fontes) para minha monografia. (!!!)
Gente, CD-Rom era a coisa mais moderna do mundo e meu projeto era uma revista cultural para ser distribuída em cd-rom. Que equivocada! Que ridícula.
Tive meu primeiro emprego registrado em carteira como jornalista (ainda sem o registro profissional porque eu não tinha me formado ainda): no Caderno Feminino do Estado de Minas (!!!)
Eu tinha uma turma da pesada: 8 viraram sócios da minha primeira empresa, a “Natora”.
Dessa onda, saiu muita gente genial e que está fazendo filmes pelo mundo.

1996
Minha roupa preferida: um macacão verde-exército.
Fui oradora da turma (não pela simpatia, mas pelo texto – que foi o mais votado e, depois, descobriu-se que era meu).
Colação de grau: fui fantasiada de Emília (debaixo da beca, que tirei na hora de ler o discurso da turma)
E, num protesto contra a Igreja Católica, usei uma blusa com estampa de Jesus Cristo em lantejoulas e uma calça cru com estampa de coroa de espinhos na missa de formatura. (!!!)
Tenho certeza que Andy Warhol teria adorado.

1997
Eu peguei minha malinha, deixei meu namorado (dois anos mais novo, hippie-roqueiro e um tanto egocêntrico) e fui viajar.
Estou na estrada até hoje.

2009
Ainda procurando minha malinha de 1996.

Em tempo:
A Passagem Tensa dos Corpos, de Carlos de Brito e Mello
lançamento dia 28/11/209, 11h
Livraria Scriptum Rua Fernandes Tourinho, 99, Savassi
Belo Horizonte, MG

Escrito por anapessoa

Deixe um comentário