20 jul

Pivoines: florescem um mês por ano, custam 25 euros e executivo rico não leva

Ei, vocês, chatos que infernizaram minhas escolhas, que empataram minhas decisões e que hoje estão nos seus escritórios.
De um lado, uns arrancam cabelos para resolver as dívidas insolúveis.
De outro, uns não têm cabelos porque a grana sobrou e a família, os amigos, todo mundo se mandou.
Ou você é aquela que apenas encalhou e vive perdida numa série de reuniões.
Viajem muito.
Trabalhem duro.
Como se não houvesse amanhã.
Não há!

Para mim o ano começou hoje.
O ano? Acho que nasci ontem.
Papo de blog?
Papo de mais de 35.

Não dormi.
Passei a madrugada escrevendo.
O começo de uma história.

Não, não quero essa vida chata de corporação.
De gente pequena, gorda, careca, sem graça,
que não bebe de segunda à sexta, que se esconde atrás do cartão (de visita e de crédito).
Que arruma filho para segurar algo que já acabou.
Que acha que ser gente está relacionado a “onde” ou “ter”.

É tarde, é tarde, é tarde

Ei, você aí!
Topa tomar um drink de menina comigo hoje às 19h?
Ei, o que faz bem não engorda.
Só engorda quando é para trocar alho por bugalho.
E se você chegar atrasado amanhã, tudo bem.
Mate os colegas de inveja.
Chegue bem tarde e um pouco descabelado.
(Com cara de quem fez o que não devia, mas que valia)

Hoje saí por aí com uma amiga.
Esbarrei num ator da Globo.
Feliz e anônimo com dois filhinhos.
Fazia um sol do cão.
Depois de andar uma hora com a gringa para trocar dinheiro, ela cansou.
Encheu meu saco.
Tem casa há 20 anos em Paris e confundiu o Louvre com o Quai d’Orsay.
Entramos no metrô.
Esperei a porta abrir e…
Quando o trem já ia partir, pulei!
Deixei a moça falando sozinha e chupando pirulito dentro da estação.
Simplesmente e literalmente pulei fora.
Sai de mim, gente chata.
Gente que adora falar de si, dos seus problemas, de suas conquistas, de si, de si e só.
Eu só quero céu azul, sola gasta, poesia de manhã e de noite.
Dinheiro também, mas sem muito foco.
Quero gastar em flor de 25 Euros.
Em molho de Marseille.
Na Capadócia.

Ei, vem beber comigo hoje?
Acabei de completar minhas primeiras horas.
E não vou perder tempo.

Macunaíma prontíssima!

Escrito por anapessoa

8 comentários para “Reveillon”

  1. ariel disse:

    já leu american psico?

  2. Mari disse:

    Ana!
    Abri uma Erdinger em sua homenagem.
    E tenho uma sugestão para chamar o livro:
    “A Menina Que Decidiu Bater Asas E Voou”
    Parabéns por tudo!
    bjs, da
    Mari

  3. anapessoa disse:

    Mari, querida, nao posso ver uma LV que lembro de vc… Saudades !

  4. anapessoa disse:

    nop!

  5. ariel disse:

    tenta ler. sobre essa tal gentinha q se esconde e pira atrás dos cartoes de visita ou de crédito.

  6. Mari disse:

    passei o dia rindo do seu coment sobre a LV…
    + bjs!!
    e cuide-se bem…
    Mari

  7. Marco disse:

    tim tim!

  8. Tess disse:

    Aprovo totalmente que gaste os 25 euros das lindas peônias mais outro tanto na carta de Vinhos e finalize com uma tarde na Laduré mais chique de Paris satisfazendo toda sua fúria feminina em um monte de açucar com o visual mais fofo do mundo…. ser mulher com M maiúsulo é fazer isso tudo feliz, depois culpe os hormônios…. sempre penso…. não fui eu quem inventou essa carga toda o dia inteiro subindo e descendo em minha cabeça portanto estou perdoada.

Deixe um comentário