Saio de um avião.
A casa de pernas para o ar.
A vida prática foi feita para os outros – decido.
Durmo pouco, vôo de novo.
Confiro minha conta do cartão de crédito – Nova York tem seu preço.

Termino de ler o jornal.
Ofereço ao vizinho que olha pela janela o céu de brigadeiro.
O comandante avisa: menos 50 Celsius lá fora.
Tímido. Carente.
Fala do trabalho, da vida, pergunta sobre a terra, o telefone, a rotina.
Suave, escondo-me em meu mundo digital particular.

As crianças gritam.
Um copo de água.
O moço é todo chocolate, chicletes, praia e sol.

Eu troquei as cores por uma história em preto e branco.
Branca de neve paraguaia em Recife.
Sem férias.
Um filme B.

Só isso.

Escrito por anapessoa

Deixe um comentário