Alice não mora mais aqui

Eu mandava limpar a neve, mandava clarear a vista e obrigava todo mundo a dizer “eba, eba” todos os dias.
Mas, como ela não é, deixe a neve cair e o povo correr para cima e para baixo sem ter tempo de ver passarinhos que sabem se esconder do frio e cantar.

Estou empacotando as tais compras feitas pela internet. Se eu disser que tive que colocar tudo numa caixa, você acredita?
Pois para quê complicar? Vou pagar a taxa de excesso e tudo vai dar certo.
Mesmo que eu pareça uma feirante de domingo.

Complicar é uma doença moderna.
Queremos tudo o que é enrolado.
O amor impossível.
O trabalho difícil.
A aparência inexistente.
Morar lá quando se é feliz aqui.
Desistir antes de tentar.
Inovar antes de confirmar se o duvidoso é boa pedida.

Ah, ando numa fase de desencapar fios.
Esse foi um.
Eu insisto em querer economizar em algumas coisas que ficam muito mais bacanas quando pagamos o devido.
Lição aprendida.

Sobre o tempo: eu gosto de frio, mas -7,5oC é tão maluco quanto o calor e a chuva brasileiros.
Deixa eu voltar para casa cheia de badulaques e com a cabeça fervilhando de confete.

Ciao, NYC.

Escrito por anapessoa

Um comentário para “Se essa rua, se essa rua…”

  1. Leo disse:

    Sabe o que me impressiona em seus relatos de viagens?

    A forma desapegada de como você chega e vai embora de um lugar; é muito bacana isso.

    Welcome again!

Deixe um comentário