Traje esporte fino para um trabalho de respeito

Nos jornais, uma polêmica.
Um publicitário-empresário usou espaço caro de uma coluna para fazer anúncio: precisa de cozinheira.
O colunista de política, indignado, criticou.
Segundo ele, o homem teceu loas à modernidade, mas ainda procura uma doméstica, profissão de país atrasado em pleno século passado.
A colunista vetusta, que já fez das suas nos anos 60 e 70, criticou os dois.
Doméstica assim como advogado ou médico é questão de vocação, defendeu.

Hoje fazemos muitas coisas ao mesmo tempo e, claro, não fazemos nada direito.
Tendo um pouco mais em caixa, terceirizamos – chique mesmo é outsourcing.
E eu aqui, exilada no trópico, vendo os braçais ralarem peles e pêlos por quase nada ainda fico de filosofia furada.
Abusada. Alienada. Absurda. Abnegada.

Ah, Deus do mundo moderno, fazei com que tenhamos um olho só e apontado para o umbigo.
Se o homem quer empregada, que queira e tenha.
Se empregada está em falta, que falte e acabe.
Se doméstica é profissão, que trabalhe e ganhe bem.
E ponto.

O que eu acho que deveria ser de direito – e nenhum partido me defende:
Viagem para lugares distantes.
Pausa todo ano por um longo tempo.
Poesia furada e poesia boa.
Prato de mil cousas.

Versão rural do meu escolhido do dia

Um bom copo.
Frutas carnudas e bem doces.
Uma casa com brisa do mar.
E uma senhora discussão.
Sem essa estória de empregada ou funcionária do lar.
Ou a gritaria de ocupe Wall Street.
Uma briga daquelas por mulher casada.
E sangue quente manchando um bom terno panamá.

Enquanto nada dá em nada, minha receita do dia, tem cheiro de baixo Gávea, de roupa cor de neon.

Meia de Seda
– 1/3 gin
– 1/3 creme de leite
– 1/3 licor de cacau
– 1 colher de sopa de açúcar (para as mocinhas)
– canela ou chocolate em pó para pulverizar.

Escrito por anapessoa

Deixe um comentário