A foto que logo circulou no Facebook

Começou quando ele deixou o cabelo crescer.
Sabia que, no escritório, faziam piadas a respeito.
Mas, por ser o chefe, eram veladas, covardes como têm que ser.

No dia em que apareceu nu, o silêncio foi total.
Mesmo não querendo provocar.
Vácuo.
Todos parados.
A luz branca parecia efeito de cena.Com um crachá na mão e nada mais.

Passou pela catraca principal.
Esperou pelo elevador.
Subiu.
A voz eletrônica feminina do elevador avisando que você estavano 36 andar.
Telefones tocavam.

Recepção.
Deu bom dia – como sempre fazia.
Dirigiu-se a  sala de reunião.
Enorme, com janelas do chão ao teto.
A secretária, uma senhora magra, com sorriso largo, nada falou.
Um instante sem emails, sem barulho, sem agitação.

Em alguns minutos, a segurança apareceu.
Discussão na porta.
A equipe da CIPA.
Emergência?
Médicos então?

Pela escada de emergência.

Na delegacia, mistério.
O homem não falava e, no boletim de ocorrência, foi registrado como caucasiano, olhos negros, estatura média, sem documentos, recusou-se a responder as perguntas.
Atentado violento ao pudor.
Deram-lhe um cobertor.
E avisaram:
“- É para se cobrir ou vai ficar roxo”.

Deitou-se sobre o pano e dormiu.

Escrito por anapessoa

Deixe um comentário