Tags: Escapada
7 jun

João de Barro devoto

Itabirano

Escrito por anapessoa
3 jun

Made direct amends to such people wherever possible, except when to do so would injure them or others.
(Fazer reparações diretas a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-lo signifique prejudicá-las ou a outrem.)

Eu acho esse passo realmente um ato de coragem. Voltar atrás e mudar o que é possível mudar.
Talvez o lado de lá não responda ao seu contato, ao seu ato.
Seria melhor ficar quieto?

Eu tenho pavor da covardia. O número um dos meus pesadelos é a mentira, o número dois é a covardia.
Aquele chefe que tem medo do que você fala com o superior dele.
Aquele colega que procura os “errados” dentro da equipe para se posicionar como “de fora”.
Aquele que tem vida dupla.
Aquele que empurra os outros para resolver toda e qualquer coisa para ele.

Mas esses são os típicos.

E aquele que não faz? Aquele que finge que não vê?

Atire a primeira pedra que não precisar voltar atrás.
Quem não pisou na bola, quem não errou. Quem não precisa melhorar nessa vida.

Eu preciso – e por isso estou mudando de rumo, agarrei no leme e não solto – , eu preciso fazer aquela reflexão dos que tem menos de 40.
Mesmo que isso signifique dar vários passos para trás.
Que eu perca grana, amigos, que eu feche portas.

Hoje foi punk para mim e faz parte dessa idéia.
Cancelar uma viagem e não poder estar com os que eu adoro.
E foi apenas um passo atrás para arrumar o hall, a entrada da casa.
Depois eu caminho de novo.

Tenho que admitir: esse programa dos doze passos começa a fazer um sentido.
Só não consigo misturar isso com “Deus”. Não dá para jogar para cima (ou para baixo) a sua responsabilidade.
Ter fé sim, nisso eu creio (!)

E uma frase que sim, vale um google translate:
Il n’y a pas de pas perdu.
(André Breton)

Escrito por anapessoa

8 – Made a list of all persons we had harmed, and became willing to make amends to them all.
(Fizemos uma lista de todas as pessoas que tínhamos prejudicado e nos dispusemos a fazer reparações a todas elas)

Uma coisa Magrite dos trópicos

Aí comprou a briga. Pessoas que prejudicamos com nossos vícios? Uh-la-la…
Tenho que comprar um HD de 2 Tera (1 terabyte (TB) = 1000000000000bytes = 10004 ou 1012 bytes) para caber toda a lista.
Ser workaholic não tem bom sentido.
Escorre sangue todo dia pelos ralos do escritório.
E aí você vira um bruto.
Não ri e não cria.
É apenas uma máquina.

Ser vivoholic não tem preço.
Então façamos como bons ingleses: “tivemos nossos momentos”. E beijo.

Hoje, dia agitado: de manhã, Anne, ma petite amie.
Depois, reunião daquelas que amo: tudo combinado, nada resolvido e esperamos sua volta de Paris.
A-M-O!
Fui arrumar minhas unhas. Odeio sair por aí desmazelada.
Passei em duas livrarias – comprei dois guias pouco convencionais. Um de moda, design e cultura na Cidade Luz. Outro de gírias e usos nada ortodoxos da língua.
Vocês acham que vou chegar na Sorbonne falando “le livre est sur la table”?
Aqui, farroupilha careca de chapéu de vovô! Necas de pitibiribas!

On s’eclate! (e não tente achar o significado no google translate – rárárá)

Falei que saí da análise e fui trabalhar?
Bora para o próximo passo porque esse não cola.

Escrito por anapessoa

Dica de inverno: esquente as mãos na cumbuca de sopa

Dica de inverno: esquente as mãos na cumbuca de sopa

O presidente da Alemanha pediu o boné.
A CNN agora diz que o primeiro ministro vai pedir demissão em instantes.
Viu como estou na crista da onda?

E nem sou chefe de Estado.

***

Não preciso dizer que faz frio aqui.
Friozinho delicioso!

E como meus dias estão lotados!

Conheci um de nossos blogueiros indicados, o Leo Valverde no Rio.
Figura ótima!

Troquei idéia com outro frequentador da área, o Hugo Langone.
Hugo est très chic: il est à Paris.
Ele me deu uma superforça para minha próxima etapa – explicarei com tempo.

Hoje almocei com uma amiga querida.

Trabalhei – de 16h às 21h.

Cheguei em casa… Esquentei minha sopa de grão de bico…

Eu tenho que dizer.
Minha vida está muito boa.
Boa, boa, boa.
Ter tempo para ler emails, para trabalhar quando quero e devo.
Não conviver com a mediocridade corporativa que abunda por aí.
Reencontrar amigos de outros trabalhos: é impressionante – vão-se as chatices e ficam as coisas bacanas.

E ainda recebo propostas incríveis. Como pode?
E tem Paris no meio do caminho…
Como diz minha amiga Marilei, há malas que vêm pelo trem.
Rá-rá-rá-rá!

***

Ah! Eu me esqueci do passo 7: Humildemente pedimos a Ele para remover nossas imperfeições. (Não é que “Ele” removeu? Tô quase Eva antes da maçã)

Escrito por anapessoa

Eu sei porque os cariocas são mais bonitos – os velhos, as novas, os cachorros, todos.
Porque eles batem perna, tomam sol e não vêem a vida de um escritório cheio de gadgets.
Eles vivem o mundo lá fora.

Light imprisoned in the belly of the whale

Eu venho e caminho, caminho sem medo.
E na minha vida de lá é carro, telefone, computador.
E aí eu lembro a vida de cá.
Por isso viajo.
Para experimentar outras vidas.

Ontem fiquei sabendo que Heleninha foi embora.
Foi um passarinho feliz.
Viva Heleninha.

Love and Hate

Recomendo aqui no Rio a exposição da alemã Rebecca Horn.
Minhas instalações escolhidas estão em foto para você que não pôde vir.

E descobri hoje o néctar dos deuses. Bebo a você.

kusmi, my luv

kusmi I luv

Kusmi Chá (ou Kusmi-Tea) é uma marca de chá cuja sede fica em Paris. A empresa, que produz os chás de estilo russo foi criada por Pavel Michailovitch Kousmichoff (Павел Михайлович Кузьмичёв, 1840-1908) em 1867 em St. Petersburgo, Rússia.

Filho mais velho de uma família de camponeses, Pavel Michailovitch Kousmichoff saiu de casa com 14 anos para procurar um emprego em São Petersburgo. Lá ele encontrou trabalho como entregador de um comerciante de chá. O gerente da loja logo percebeu que o menino tinha um enorme potencial e lhe ensinou a arte da mistura dos chás. Pavel casou com Alexandra, a filha de um comerciante de papel e seu empregador lhe deu de presente de casamento uma casa de chá. A Kousmichoff teahouse foi inaugurada em 1867. Alexandra teve seis filhos. Para Elisabeth (nascida em 1880) foi criada uma mistura especial que logo tornou-se o chá do czar, “buquê de flores”. Em 1901 Pavel já tinha 11 casas de chá e a Kousmichoff era a terceira maior da Rússia.

Em 1907, ele enviou o filho mais velho para Londres para aprender sobre o chá. Viatcheslav começou abrindo filial britânica da empresa, a PM Kousmichoff & Sons. A cidade era a capital mundial do comércio de chá, o que ajudou Viatcheslav a se tornar um mestre no mix de chás. Viatcheslav retornou à Rússia e, depois da morte de seu pai em 1908, assumiu os negócios da família. Ele abriu  51 casas de chá em todas as grandes cidades da Rússia.

1917 Um novo começo em Paris

Em 1916, vendo as ruas de São Petersburgo agitadas (e com medo de uma revolução), Viatcheslav transferiu parte de sua fortuna para o escritório da companhia em Londres e, em 1917, abriu uma loja em Paris, a Maison Kusmi-Thé.
Enquanto ele passava a maior parte de seu tempo em Paris, sua família permaneceu em São Petersburgo e nas vésperas da Revolução, ele decidiu enviar mulher e filhos para passar o verão na região do Cáucaso.
Com o estouro da revolução, eles fugiram para Constantinopla e, em seguida, para Paris em 1920. Em Paris, Viatcheslav e sua esposa, viveu a vida dos ricos, com seus três filhos.
A filha Vera participou do Conservatório de Paris onde conheceu Rachmaninov e se tornou uma famosa cantora de ópera.

A família prosperou durante o período entre guerras, abrindo escritórios em Nova York, Hamburgo e Constantinopla.
Viatcheslav Kousmichoff morreu logo após a Segunda Guerra Mundial, em 1946, deixando seu filho de Constantin para assumir um negócio de família muito enfraquecido por anos de guerra.
Mas Constantin não tinha o mesmo tino comercial.
À beira da falência em 1972, ele vendeu o negócio por uma ninharia.
O néctar dos deuses é o “almond green tea”. Fui para o céu e voltei mil vezes.

Anote o site: www.kusmitea.com

E veja que bacana:

TEA PROFILE PREPARATION
Origin: China
Time of day: afternoon
Main flavor:
gourmand with herbaceous note
Ideal water temperature: 70°C
Quantity needed: 3g
Brewing time:3-4 min

Para não esquecer: PASSO 6

Were entirely ready to have God remove all these defects of  character. (Atenção: Deus não atua em corporações e não faz hora extra!)

Escrito por anapessoa

Atendendo e me divertindo com os pedidos, o post de hoje é uma cópia horrorsa da Gawker.
Antes, um toque pessoal:

5 – Admitted to God, to ourselves, and to another human being the exact nature of our wrongs.
Admitimos para Deus, para nós mesmos, para outro ser humano a natureza exata de nossos erros.

Depois de dar a outra face, de acreditar em Deus, de assumir que somos workaholics incorrigíveis e com espírito livre (o que combina tanto quanto uma camiseta roxa, um sapato verde e uma saia amarela de bolinhas vermelhas) e que isso é uma doença incurável, podemos cair em tentação de trocar um vício pelo outro. E a vaca ou vai para o brejo ou para uma das agências do Nizan!
Aqui entra a Gawker para nos ajudar com sarcasmo e didatismo. E eu com uma tradução com toques pessoais de absurdice.

Esqueça a preparação para a maratona (que libera nutrientes que dão prazer como a serotonina e antioxidantes que te deixam com a cara do Popeye), esqueça os quinhentos reais da análise ou mesmo uma tarde de compras finalizada com uma caixa de chocolates Mozart by Mirabell. O milk-shake da Lanchonete da Cidade é páreo duro… Mas…
Com mais de 200 medicamentos psicotrópicos, antidepressivos, ansiolíticos, estabilizadores de humor e pílulas para dormir para escolher, qual é o melhor para você?

Vamos atropelar alguns medicamentos para tratar melhor o “transtorno de ansiedade generalizada” que atinge a nossa sociedade com a ajuda de dois psiquiatras NYC e alguns dos nossos amigos chegados num comprimidinho.

Camisa nova do Flamengo

CYMBALTA

Considerada especialmente útil no combate à dor física associada à ansiedade e depressão, a venda  desta pílula subiu mais de duzentas vezes de 2005 a 2009 o que pode colocá-la no hall da droga preferida desta era “nervosa”.
De acordo com um usuário de longa data, enquanto pede desesperadamente por Cymbalta para manter em ordem seu transtorno do humor e os sintomas psicossomáticos, os efeitos colaterais incluem a incapacidade de ter um orgasmo ou de beber álcool sem ficar doente.
“Em outras palavras, ele acaba com as coisas mais divertidas da vida”, diz ele.

Amigo de Hollywood

XANAX

Perfeitamente formulado para virar o sucesso entre os doidões, Xanax é agora o remédio mais prescrito nos Estados Unidos. Só no ano passado,  44.029.000 de receitas foram surpreendente assinadas por profissionais que passaram, no mínimo, 10 anos em faculdades. Você pode ser sorteado com os azuis ovais ou com os brancos achatados (os mais fortes do mercado e, por isso mesmo, em destaque na foto). Ideal para reduzir a ansiedade com rapidez e baixar os sintomas de pânico. Viciante como o inferno. US $ 2 é o preço da felicidade em pastilha.

Botão da vovó

KLONOPIN

Embora de efeito mais duradouro, não é tão rápido como seu companheiro de benzodiazepínicos, Xanax. Ou seja: garoto bom, mas que não está antenado  nos nossos tempos. Por não ser considerado tão viciante como outros tranqüilizantes, os médicos que tratam pacientes com personalidades compulsivas preferem o “K”. Se você quiser ficar na moda, comece com o “K” furadinho… E como é o caso de Xanax, e de  todos os outros medicamentos desse post, o genérico aqui funciona muito bem.

É o barato (nos dois sentidos) que satisfaz.

5 pontas, ativar!

ATIVAN

Esquecido por anos, tem ação rápida, é altamente sedativo.
Nos últimos tempos ele foi redescoberto e  alcançou o terceiro lugar no ranking americano. Os efeitos colaterais incluem muito sono e tonturas.
Um amigo diz para não tomar mais de três antes antes de ir para o processo que decide sua separação. Caso contrário, de duas uma: ou você pode ter que pagar uma pensão maior do que esperava ou acabar babando no ombro do seu advogado.

O meu era manipulado

PROZAC

Praticamente sinônimo de antidepressivo entre o povão, foi o primeiro SSRI (inibidor seletivo da recaptação de serotonina) aprovado para tratar a depressão no final de 1980. Seu composto do diabo, a fluoxetina, foi desenvolvido uma década antes. Apesar de cortar a libido, dar sono, engordar e outras coisinhas fofas, o laboratório Eli-Lily foi capaz de convencer a população de que a cápsula verde e branca representa uma revolução em neuropsiquiatria. Com um pouco de ajuda de escritores da geração X (ou você acha que é só a Y que faz estragos?) como Elizabeth Wurtzel, de repente, todo mundo tinha que ter. Mas, alguns anos mais tarde, Prozac provocou um escândalo quando se descobriu que uns carinhas que atiraram em todo mundo do escritório apresentavam doses elevadas do medicamento na corrente sanguínea. A pergunta que não quer calar é: precisa mesmo de Prozac para abrir fogo no escritório?

F de fome, 10 de kg

LEXAPRO

O nome é de impressora baratinha, a campanha publicitária te leva e traz de volta de Woodstock…
Resultado: ele botou o Prozac na havaiana da titia.
Efeitos colaterais comuns incluem o ganho de peso, mas uma psiquiatra diz que “ama prescrever Lexapro,”  porque, segundo ela, esse é o anti-depressivo com os efeitos colaterais menos graves.
Engordar = felicidade?
Então compra uma quentinha do Lig-lig e rebata com um pote de sorvete “sabores de festa junina” da Kibon.

Sem poesia

ZOLOFT

Bom para quem tem TOC, mas fraco se comparado com o impulso energético de outros ISRS.
No Brasil, é super usado para quem tenta deixar o tabagismo.
Aqui, é vendido como o capeta de cabelo alisado…
“Não se escreve o grande romance americano com Zoloft”, diz um psiquiatra engraçadinho.
(Fato: ninguém escreve o grande romance americano com qualquer Prozac também).

Placebo!!!

BUSPAR

Um tranqüilizante meia-boca e totalmente inútil que alguns médicos cautelosos prescrevem para tapear pacientes desavisados.
Chore e peça algo de verdade.
Exija seus direitos!
Se isso falhar, compre um litro de uísque e não dê uma festa.

Tem mais de 30?

PAXIL

Devido à suposta natureza pacífica (Pax é paz em latim), tornou-se popular quando a galera do Prozac começou a ficar misteriosamente violenta no final dos anos 90.
Provando mais uma vez que é impossível ter tudo isso numa pastilhinha amiga, os efeitos colaterais incluem apatia e perda do desejo sexual.
Nada que um Prozac também não garanta…

Não confunda com a Marrom

HALCION

Em anos passados, o sono era o segredo de uma vida feliz.
Segundo fontes quentes, Papai Bush não dispensava o seu vidrinho e elegia como melhor amigo em suas viagens no Air Force One.
Os efeitos colaterais incluem, porém, os comportamentos bizarros, como “dirigir dormindo”.

5,4... sono!

AMBIEN

Não é tão poderoso quanto Halcion, mas vai certamente ajudá-lo a dormir.
Como Halcion, tem sido ligado a “sonambulância” (sono+direção=hospital) e ao desagradável “coma enquanto dorme”.
Mas também pode temperar a sua vida sexual, pelo menos de acordo com Tiger Woods.
Segundo a temível imprensa marrom, o atleta peralta tomava antes de ter relações sexuais com suas amantes.
Deu no que deu…

Borbulhas loucas

ADDERALL

É preciso explicar, a não ser que você faça parte dos Hells Angel: Adderall (anfetaminas e outros correlatos) não vai ajudar a aliviar sintomas de ansiedade.
Ele agita horrores e fazer você suar!
Mas o apelo da droga para o atormentado e com pouco tempo para decidir é inegável.
Misture com um calmante e veja que bicho vai dar…

PS: Não gosta de texto paraguaio? Quer o original?
Vá lá: http://gawker.com/5541800/the-pill+poppers-guide-to-the-apocalypse?skyline=true&s=i

Escrito por anapessoa

Eu ia de carro, mas resolvi comprar agora uma passagem.
Começou a chover em Sampa e adoro estrada… sem estresse.
E também estou cansada – estranho e compreensível.
Olha que bonito: a Gol agora te empurra um seguro travestido de título de capitalizacão…R$6,00
Sou eu ou a gente ficou bocó e desistiu de reagir? Eu acho que já nascemos fugindo. Ou com o rabinho entre as pernas. Ou com medo de ser mais uma vítima de uma companhia aérea.

Vamos logo para o quarto passo porque hoje o dia foi pesado.
Made a searching and fearless moral inventory of ourselves.
Um minucioso e destemido inventário moral de nós mesmos…

Nessa toada, hoje foi só pancada.
De casa, pow!
De amigo, paf!
No francês, craw!
Nem a minha Mafalda do calendário salvou. “Por suerte nos urbanizaron sin pavimentarnos la naturalidad”
De manhã, uma hora de análise sobre o medo.
Puts grila, Jailson, preciso de tempo. Nada contra ninguém, mas não estou querendo conselho nem sermão.
E o inventário moral… Fica para outro dia, porque o mundo já o fez por mim.

Na paralela, parafraseando tatuagem de atriz, “o que não me mata me alimenta”.
E lá fui eu olhar mil coisas interessantes para sumir do mapa por uns tempos.

O que encontraram na minha radiografia uma semana atrás

Escrito por anapessoa

O terceiro passo, para mim, tem que ser transformado.
“Tome a decisão de entregar sua vontade e sua vida aos cuidados de Deus, como nós O compreendemos.”

Pois eu conto o que me aconteceu.

Acordo às 6h e corro para o metrô.
Vejo a multidão que toma os trens as 6h30. Tudo certo – estou no contra-fluxo.
Chego na hora certa no analista… e dou com a cara na porta.
A consulta é amanhã e não hoje.
Risos.

Tomo o metrô de volta, vou para a academia, tomo um banho de HORA E MEIA!
Francês.
Feijoada com amigo.
Decido não ir para o escritório.
Passeio com a cachorra – às vezes eu penso que bati com a cabeça…
Mas o mundo pode ser simples assim? Por que eu compliquei tanto?

Hora do passo 3!
Ontem ligam na revista e pedem para alguém ir ao encontro do VP de marketing da Burberry. Eu, na fase “com tempo”, topo.
O encontro foi hoje e cheguei – como há tempos não consigo fazer (e sofro) – na hora certa.
Pedi um chá de 30 reais (era o mais barato do cardápio) e pensei: estou louca da silva. Vou me encontrar com a presidente da marca no Brasil e com um dos VPs mundiais e nem me preparei… Confiro o look, tomo o chá milionário e espero pela dupla. A proposta era bater um papo sobre nosso mercado.
O moço aparece bem vestido, todo de negro. Ele me mostra todos os projetos no iPad e diz que quer conquistar a América Latina via mundo digital.
Meu D-E-U-S, isso só pode ser um sinal!
Uma das casas mais antigas da Inglaterra dá um banho em muita marca nascida ontem e que se diz modernete.
Os caras querem apostar todas as fichas em redes sociais, websites, blogs e bloggers – santo Deus da plataforma digital!
Existe vida inteligente na Terra!

Saio feliz e matutando idéias.
Ontem à noite pensei numa maneira super agradável de passar os próximos 3 meses.
A Burberry vai ter que esperar…

Abaixo, onde está Wally em 3 segundos:

Escrito por anapessoa
24 mai

2 – Came to believe that a Power greater than ourselves could restore us to sanity.
(Chego a crer que um Poder superior a nós mesmos poderia devolver-nos à sanidade)

Eu não creio em Deus, em vida após a morte, em que sejamos especiais. Mas penso que algo mais forte do que nós mesmos pode nos devolver à sanidade. Creio mesmo.
Depois do meu primeiro passo que, com certa graça, confesso me deixou de ego amaciado: recebi quantidade de emails dizendo que tive coragem… depois desse primeiro passo é preciso crer.
Para poder caminhar.

Hoje construí um dia diferente e agora, de noite, eu mesma me surpreendi. Desisiti de ir para minha aula de francês e perdi minha estréia no Jornal Nacional. Afinal, o destino bate à porta. E pode ser que eu tenha tido uma boa e inesperada idéia. O tempo dirá.

O programa dos 12 passos começou com o AA nos idos de 1930. E eu estou achando bem interessante adaptar para outros vícios: o de esquecer de si, por exemplo.

Enfim, vamos logo ao capítulo 3.

PS: Recebi um email um tanto tosco me advertindo: “dizer a verdade tem seu preço”.

Escrito por anapessoa

Saí de metrô para curtir a tarde e o lusco-fusco em Sampa.
Confesso que nunca fiz isso na vida.
No metrô sujo de Nova York, no de Londres, Paris e até no de Buenos Aires já fiz de tudo.
No de São Paulo, do ladinho de casa, nunca.
É sempre carro, corre, celular, problema dos outros para resolver.
Metrô limpinho. Vazio e cheiroso pronto para uma noite de sábado.
Depois, encher a cara de pipoca e ter saudade do Riviera na Consolação.
Sim, eu fui ao Riviera – você, talvez, não.
Jantar num francês, vinho, metrô, rua, casa.
Melhor que propaganda de cartão de crédito!

Whatever works funcionou para mim.
Saudadíssimas do Café Mogador – as fotos mostram muuuuuuuito por que.
Em 2008:

Em 2009:

Quem sabe uma vez mais em 2010?
Woody, seu estúpido, você acabou com um dos meus cantos secretos na Grande Maçã.

Nos últimos dias, tenho curtido fazer o que gosto sem pensar no que tenho que fazer depois, no que tenho que fazer amanhã, nas obrigações das quais sempre queremos fugir porque são como um pedágio a se pagar pelas escolhas equivocadas.
Nos últimos dias estou colhendo a tranqüilidade de ter esperado pelos tempos de seca
De poder pagar pela chutada de balde sem recorrer aos bancos ou ao analista.
E de manter sanidade mental e integridade como o último dos moicanos.

Tá certo, estou me sentindo o Albert Einstein do cerrado.
A última Pringles do tubo.
Estou insuportável. E animadíssima.
Parece uma reabilitação. O programa dos 12 passos.
Estou na fase 1: We admitted we were powerless over XXXX —that our lives had become unmanageable.
Em português: Admitimos que éramos impotentes perante XXXX, que nossas vidas haviam se tornado incontroláveis.

E está decidido: amanhã farei algo que seja lá o que for.
E vou pagar mico no intervalo do Jornal Nacional. Não perca.

Escrito por anapessoa