Posts com a Tag ‘Albert Camus’

Multitarefa

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Em computação, Multitarefa é a característica dos sistemas operativos que permite repartir a utilização do processador entre várias tarefas aparentemente simultaneamente.
Wikipédia

autorretrato em um momento de folga

Na vida dos mortais, é não dormir mais do que duas horas, dar comida para o gato, para o cachorro, lavar as toalhas de banho, cuidar do pequeno, e, quando der, fazer o café da manhã.
Receber o amigo, amarrar a coitada no carrinho e levar a cachorra para uma volta simples até a esquina (e, depois, ver a cara de decepção dela).
Faminta, tomar café por volta de 11h, almoçar às 16h30, rezar para o pequeno não acordar, tirar o lixo, passar pano, aspirador, tomar banho correndo enquanto deixa roupas de molho.
Baixar os jornais que não vai ler e, também, alguns textos sobre matemática financeira.
Fazer uso de sua habilidosa leitura dinâmica.

Pensar em inglês, escrever em espanhol, sonhar em português. Pirar em francês.

Adiantar um trabalho que era para ser entregue no dia 16 porque acha que essa será sua única janela de tempo para fazer algo apresentável.
Antecipar o medo de ter que usar uma HP-12C. Ah, se fosse “apenas” para consultar um livro de antropologia ou para tentar decifrar Albert Camus.

Cansada, enclausurada e com a cabeça em outras paragens.
Quero ver um computador dar conta de tudo isso.

pOeSIa (roubada) ConCRetA

domingo, 25 de abril de 2010

Vesti uma camisa listada… Quem mandou mudar para Belo Horizonte?

Mudou-se para Belo Horizonte, trabalhou na Rádio Mineira e entrou em contato com compositores amigos da noite, como Rômulo Paes, recaindo sempre na boêmia. De volta ao Rio, jurou estar curado. Faleceu em sua casa no bairro de Vila Isabel no ano de 1937, aos 26 anos, em consequência da doença que o perseguia desde sempre.

Que lindo não chegar aos trinta e não ter que pensar no que não fez.

Você suspeita que eu não seja um bom sujeito.
Para tudo conte comigo.

Quem conhece essa mulher
é que sabe o que ela é

Segurança era a única coisa que ele não desejava
“Now we rise, and we are every were”

pelos caminhos que ando
um dia vai ser
só não sei quando

Ce qui suit dévoile des moments clés de l’intrigue.
On comprendra, après mes explications, que je l’aie dit sans aucune intention de blasphème et seulement avec l’affection un peu ironique qu’un artiste a le droit d’éprouver à l’égard des personnages de sa création.

Porque se chamava homem
Também se chamavam sonhos
E sonhos não envelhecem

Maybe I have been here before
I know this room, I’ve walked this floor

Os “primeiros erros” inauguram uma fatalidade que, de elo em elo, semeará a desgraça numa família, inevitáveis seqüelas da irresponsabilidade e da desobediência.

Para mim, e isso pode ser muito pessoal, escrever é enfiar um dedo na garganta.