Posts com a Tag ‘C&A’

Sobre a falta

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

de tempo: sim, nada mais será como antes e sobreviva a cada cinco minutos por hora.
de ganas: sim, chegou a bela hora de saber o que queres.
de alguém: ou de alguéns, ou de todos aqueles. Falta. Apenas isto.

Compro tudo de que preciso pela web.
Vassoura, maçã, adesivo decorativo, artigos de escritório, roupa de cama.
Trabalho pela web.
Vez ou outra uso a voz – agora rouca – para resolver o que ficou pendente na última reunião.
Voz que entra em cabos de fibra ótica e pode ser ouvida em outros oceanos.

Esta semana, médico.
No começo, senti incômodo.
Como pode?
Carro, sala de espera, jaleco branco, caminhada, hospital, nada certo, jaleco branco, carro, hospital, injeção.
Tanto tempo por um pouquinho de penicilina.

Tempo.
Tudo o que me falta.
Tudo o que não volta.
Essa coisa de viver cada hora lá.
Nunca cá.

Um mundo virtual que – ironia – não me deixa vir aqui descarregar meu pequeno mundo.
Vida.
Aqui, lá, hoje ou amanhã.
Sem sair para tomar sol.
Sem frequentar os bares de outrora.
Essa fita isolante, negra, grudenta.
Que me impede de respirar.

Só cinco minutos.
Fôlego.

O mundo ET

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Denegada

Anita era uma menina que, além da língua solta, tinha uma elasticidade acima do normal.
Não era para tanto – o Circo da China jamais arriscaria o número da criança dentro da caixa de sapato com ela.
Mas…
Alguém sacou seu potencial.
E falou: topas?

Anita entrou para um projeto piloto que promete revolucionar a medicina e sua vida bandida.
Cobaia.
Picada uma vez por mês.
Apalpada, pesada, ultrassonada.
Tudo cuidadosamente medido, avaliado.
Engraçado é que chocolate é permitido.
Álcool – só uma taça para comemorar o aniversário de 90 anos da avó e olhe lá.
Engordar é quase mandatório.
E tudo por ter a saúde acima da média, uma elasticidade de superherói e as melhores condições para o estudo.
Anita é fidalga: não recebe um centavo.
Às vezes, paga. O táxi, a hora rodada, o mico.
E é a maior diversão.

Até agora, 4 kg.
Quem viver, verá!
E não vai ser na vitrine da C&A