Posts com a Tag ‘Cabeça’

There she goes again

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Quando eu cheguei, estava escrito que eu não iria me conformar.
Eu andava por aí com um caminhãozinho que tem nariz de palhaço.
No acampamento da escola, fui eleita Miss sei lá o quê.
Desfilei de fio dental e com flores de bougainville no cabelo.
No meio da “passarela”, saí correndo e me atirei de faixa e tudo na piscina.
A turma toda me acompanhou e ferramos com o evento.
Miss Take – here I am.

Larguei a natação e do alto de 1,62m (ou 1,64m dependendo da corcunda), resolvi jogar vôlei e basquete.
Adivinha quem fazia mais pontos no time?
Pulei a janela da escola em Curitiba. A mesma escola onde estudou o Leminski.
O diretor foi convencido a não contar para a minha mãe que eu havia me abrigado no internato masculino.
Haja lábia e cabeça aberta do Irmão Lino.

E veio o vestibular em Belo Horizonte.
Comunicação, “claro”.
Passei na melhor faculdade.
Tudo escrito.
E resolvi só usar roupa preta.
Comprei uma bateria com a grana da bolsa do CNPq.
Fui gentilmente convidada a não completar o período da bolsa.
Imagina que eu levava a minha baqueta para a biblioteca e tirava som de tudo – das mesas, livros, estantes, gaveteiros, ficheiros.
Tudo menos ralar para receber a grana da bolsa.
Eu fui representante da turma, presidente do CEC (D.A. para os íntimos).
E comprei uma briga do caramba: cortei a palhaçada de comprar maconha com o dinheiro público dado para a manutenção de nossa sala.
Não fui popular.
Foda-se.

Escrevi o discurso de formatura (que foi votado democraticamente – pois eu não seria a pessoa escolhida se fosse pelo rostinho bonito – e eu li vestida de Emília do Sítio do Pica-Pau).
Completamente fora de esquadro, iconoclasta, engraçada, mandona, mal-criada, amiga, perdida, avant garde.
Eu simplesmente não me encaixava – encaixo.
Então eu não grilo com a falta de peças, com o encaixe de cubo mágico – você precisa tentar mais de uma vez para acertar a seqüência.
Comigo, pelo menos.

Aí veio o mundo.
Escrevi na Veja.
Trabalhei na Globo.
Pesquisei livro do Jabor.
Conheci muita gente “famosa”.
E a música foi ficando para trás.
Larguei minha câmera fotográfica.
Dei o pé no fotógrafo, no designer.
O cabelo ruivo voltou ao natural.
Troquei as calças Vision por tailleurs.
Cuba por Paris.
Buenos Aires por Nova York.
Comprei casa, carro, fiz filho, descolei cachorro.
E virei gente grande.
Fiquei modesta, adorei um cartão de visitas, aprendi a me enfeiar para ser mais respeitada.
“She’s down on her knees, my friend”

Aí fiz 40.
E dizem que vem uma crise junto com esta idade.
Crise boa do caramba.
O passado veio voltando e cobrando a conta.
O presente foi se transformando.
Comecei a me redescobrir.
Rueira.
Sem vergonha.
Magra? Forte feito o Hulk.
Bonita sem pudor nenhum – não, não sou Giselão, mas sei te enfeitiçar feito nenhuma outra.
Yogini.
Destemida.
Descobri que creio em tudo, não sou atéia.
Descobri a fé.
Descobri que amo ajudar.
Não é dinheiro que me move.
Foda-se.

Descobri que sou um traveco mesmo.
Nasci torta, um hominho de saias.
E uma menininha escondida – às vezes.
Conheci uma penca de gente linda.
Falei tudo o que que me veio à cabeça.
E não parei mais.

Falo, abraço, beijo, ajudo, ajudo, ajudo.
Não durmo.
Não ligo.
Eu escrevo.
E eu descobri que ser feliz é isto.
Vim ao mundo para tomar todas as porradas e transformar.

Sou feliz de fato.

She’s gonna bawl and shout
She’s gonna work it
She’s gonna work it out, bye bye

Velvet Underground

IMG_9425

Amplitude

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Espaço

Meu espírito paradoxal gosta de organização e mudança.
E a casa agora está para peixes, gatos, cachorros e Anas.
Andar por um velho espaço e não se encontrar.
Ver pilhas de coisas e se questionar: para quê?
Levantar a poeira.
Contar com a ajuda de desconhecidos.
Esperar que a noite apareça e que eu esteja só dentro desse enorme receptáculo e reorganizar pensamentos, mundo.

Avançar com os fiapos de raios de sol do fim da tarde.
Correr com a manhã.
Falar menos.
Ver muito pouco.
Ler, música.
Acompanhar a curiosidade dos bichos.
Massagem com óleo quente nos pés.
Cheiro de alfazema.

Casa em ebulição.
Vida nova.

Cabeça Dinossauro

quarta-feira, 1 de julho de 2009
Quando a revista vira arte

Quando a revista vira arte

Foi o Alê Lima, o super antenado, que viu e me mandou. E eu adorei. Uma nova versão para a capa da revista que eu edito.

Tem humor, tem ironia, tem sangue, tem CET. Fechou! Achei ótimo.

E tem mais: fechamento da revista é sempre aquele caos. Costumo chamar de Kinder Ovo. As meninas correm, a gente planeja, mas sempre vem com uma surpresa.

No mais, vida seguindo, hoje chegou o meu chip da OI. Vou me libertar da TIM (ganei) no dia 11/07. Mal posso esperar. Tudo é melhor do que o péssimo atendimento da TIM. E sou fiel às minhas opiniões: ao ser entrevistada para um bom cargo nessa empresa, o entrevistador fez a clássica pergunta: Você tem alguma pergunta? E a bocuda,  honesta, perguntou: vocês têm algum plano para mudar o atendimento desta empresa? Porque só posso “vender” produtos nos quais creio…  É claro que o único convite que recebi foi o para me retirar…

Ontem foi dia de terapia de casal. Uma coisa indescritível. Você paga para alguém te ouvir discutir a relação. E dizem que é bacana…

No mais, preparando para o evento do ano na empresa. Pena que não posso contar.

 

Fui!