Posts com a Tag ‘feriado’

La bicyclette

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

On était tous amoureux d’elle… On se sentait pousser des ailes

Estávamos todos apaixonados por ela… Sentíamos crescer asas


Tropicola

Hoje sonhei em francês.
Um sonho cheio de erros de gramática.

E me deu vontade de andar de bicicleta pela cidade.
Ouvindo Yves Montand e sua paixão infantil pela magrela.
Ou haveria algo por trás dessa história?

Sair sob o sol pelas ruas – que, providencialmente, não teriam carros, ônibus, motos.
Seria uma quarta-feira de feriado, um domingo equivocado.
Todos os carros estariam em recall – falhas de freio, de marcha, parafusetas trocadas, rebimbocas gastas…
Os ônibus, em greve.
As motos, em fila indiana para bater o recorde mundial do Guinness Book.
Uma serpente fina saindo de Interlagos, esgueirando-se pela Marginal Pinheiros até a Ayrton Senna, a Dutra, perdendo-se na Fernão Dias.
Cobra coral feita com motos negras, cinzas, vermelhas, motonetas brancas, mobiletes enferrujadas, Hondas Biz (com tudo elas combinam), lambretas e seus clones mais estapafúrdios.

Pela cidade, pedestres, bicicletas, carroças, triciclos, patinetes.
E o sol de primavera.

Vida louca, vida imensa, Cazuza.
Minha bicicleta não tem cestinho ou cadeirinha de criança.
Vou colocando minhas sacolas no guidon.

Quantas vezes caímos ao patinar na areia que cerca o mata-burro da estrada?
E quantas passamos correndo e deixamos tudo para trás?

Depois das amoreiras, do limoeiro-capeta, das carambolas, atrás dos manacás…
Ali naquela terrinha onde passa um veio d’água.
Com pedrinhas de Lafaiete (em português de mineiro).
Minérios e machadinhas de índios mortos.

Foi bem ali que seu bisavô fez um pequeno buraco.
E colocou seu umbigo.
Para você ter uma raizinha mineira.

E a bicicleta?
Ah…
Uma ficou em Cuba.
Outra foi para Recife.

 

Quand on partait de bon matin

Quand on partait sur les chemins
A bicyclette
Nous étions quelques bons copains
Y avait Fernand y avait Firmin
Y avait Francis et Sébastien
Et puis Paulette

On était tous amoureux d’elle
On se sentait pousser des ailes
A bicyclette
Sur les petits chemins de terre
On a souvent vécu l’enfer
Pour ne pas mettre pied à terre
Devant Paulette

Faut dire qu’elle y mettait du cœur
C’était la fille du facteur
A bicyclette
Et depuis qu’elle avait huit ans
Elle avait fait en le suivant
Tous les chemins environnants
A bicyclette

Quand on approchait la rivière
On déposait dans les fougères
Nos bicyclettes
Puis on se roulait dans les champs
Faisant naître un bouquet changeant
De sauterelles, de papillons
Et de rainettes

Quand le soleil à l’horizon
Profilait sur tous les buissons
Nos silhouettes
On revenait fourbus contents
Le cœur un peu vague pourtant
De n’être pas seul un instant
Avec Paulette

Prendre furtivement sa main
Oublier un peu les copains
La bicyclette
On se disait c’est pour demain
J’oserai, j’oserai demain
Quand on ira sur les chemins
A bicyclette

Feriado!

domingo, 1 de novembro de 2009

f4ceef5f13504fd2d06b92ac639411a3623d0cf5_m

Minha homenagem sincera ao ócio de outros tempos, e às pessoas e situações.
Muitas vezes, essa “perda” de tempo faz a maior diferença.

Hoje, tenho que trabalhar. Último fechamento do ano. Sentindo aquele apertinho de fim de ano no peito.

Último feriado do ano. Agora só tenho planos para a segunda semana de novembro. FÉRIAS. O que deixa o reveillon com gosto de surpresinha. Nada planejado.Queria ir para algum lugar exótico. Um lugar colorido. Com língua estranha. Com gente que não me conhece. Beber uma taça de Arak e sair por aí. Ou melhor: não beber nada e sair por aí de olhos bem abertos. Talvez para o Acre. risos.

Onde seria o ano novo?

O que seria novo?

Foto do reveillon de 2007-2008

Foto do reveillon de 2007-2008

Esse post saiu com 20 minutos de antecedência. Era para ser publicado depois da meia noite. Mas minha mão coçou…

O mundo é em 3D

domingo, 12 de abril de 2009

dsc_00061
Feriado em flashes.

No interior de São Paulo, ladrões roubam cabelo de adolescente. Vi fotos do antes e do depois.
Os ladrões fizeram um favor para a menina.
Eu também quero que um ladrão leve minha vasta cabeleira.

Tenho que fazer um texto sobre minha vida profissional.
Escrever sério dá trabalho. Deixo para a véspera da entrega pois minha cabeça está voando para a terça que vem.

dsc_0013Momento trash.
Peguei carona na onda e fui a uma podóloga.
Como o pé tem cutícula.
É algo assustador.
E olha que meu pé é ajeitadinho.

Ovos de doce de leite Havanna.
Prefiro os da Kopenhagen.

3dCinema. Piada Pronta.
Multiplex Unibanco Frei Caneca.
Ontem, a única fila do cinema tomava o correrdor e ia até o caixa.
Osmar Santos foi ver um filme de arte.
Sozinho em sua cadeira de rodas. Emocionante.
A fila não era para o filme que o Osmar escolheu.
A fila: um bando de gente gorda, mal vestida, muitos uniformizados.
Fiel.
Ao lado, o filme que fui ver. Monstros.
Quase a mesma coisa.
Só que sem fila e com óculos 3D.
Em tempo, Monstros é muito fraquinho.

Hoje, li o jornal rapidamente.
Tá fraco demais.
Alice, de castigo.
Comeu a comida dos gatos.
dsc_0036
Semana curta de novo.
Adoro.