Posts com a Tag ‘français’

Ouverture d’une âme meurtrie

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Je pense toujours que le verbe aimer en français est plus dense.
Je pense trop.
Viens avec moi à jouer dans mon abîme.
Profonde, sans fin, dangereux.
Venez rouler dans l’herbe.
Venez lâcher son âme. Votre pulsation cardiaque.
Permettez-moi de vous emmener.
Vous me faites glisser fermement.
Vous me attirent.
Et je suis impuissant.

Où avez-vous été tout ce temps?
Je ne sais toujours pas où je suis.

———–

Cheiro.
Olho.
Tudo dando certo e errado.
Fico me segurando.
E provoco sempre que posso.
Geladinho na barriga.
Nenhuma, nenhuma briga.
(Ainda?)
Tudo para dar errado.
Idade, filho, medo.
Posse.
Posso?
Cansaço.
História.
Memória.
Dúvida.
Certeza.
Fome.
Sede.
Telefone.
Ai, tecnologia, que saco.
Se fosse anos atrás iria ser mais ao vivo e menos na tela de cristal.
Seu número?
Tem certeza…
Eu sei que vai ser dureza.
Moleza.
Pela primeira vez na história, domada.
Saudade.

É muita coisa boa ao mesmo tempo.
Fico guardando os minutos na bolsa para durar mais.

Je ne sais toujours

Je ne sais toujours

Michael e Farrah não moram mais aqui

quinta-feira, 25 de junho de 2009

poster
Nenhuma saudade da adrenalina de uma redação latina dando notícias gringas.
Morreu ou não morreu? Sofreu ataque cardíaco, está em coma, morreu… Dizem…

O fato é que eu ainda estava de luto por Farrah quando vem a notícia de Michael.
Triste a vida do rei do pop. Cara esquisito.

E minha geração inteira foi influenciada por Thriller. Foi meu primeiro vinil. Ganhei da Tia Jaque (a mais modernete) no meu aniversário de 10 anos.
Tenho o disco até hoje. Com este poster horizontal de Michael segurando um filhote de tigre. Bizarro.

O mundo em luto pelo rei do pop e eu pensando: justo agora que estou estudando para a minha prova de francês e não consigo decorar os verbos irregulares.

E Farah, justo agora que repiquei meu cabelo todo para parecer com o seu? Agora não!

Mas o fato é que uma viveu 62 anos – e aproveitou.
O outro, passou do ponto ao chegar aos 50. Virou um menino grande, um bicho esquisito, todo mal resolvido.
Os “filhos” dele vão precisar de anos de terapia para sobreviverem ao “pai”. Mas agora estão livres.
E a galera que pagou uma baba para o show em Londres agora pode leiloar a entrada no e-bay.

Vou estudar francês porque Michael eu escuto em casa.