Posts com a Tag ‘helicóptero’

O blog da Bethânia, Liz Taylor e o misto da padoca

quinta-feira, 24 de março de 2011

O mundo é mesmo animado.
Atire a primeira pedra o motorista que, num sinal (farol se fores paulista) vermelho, olha para o lado e vê o vizinho limpando o salão na maior naturalidade.
E a naturista americana que, para facilitar, saiu logo pelada e esqueceu o GPS?
Ficou presa a 150 metros de altura numa montanha e o bombeiro ainda teve que levar uns panos para carregar a moça pendurada no helicóptero… Não, claro, sem antes tirar uma foto do mico que rodou os sites internacionais.
De americanos em americanos, vamos para a vovó com mais de 90 que mandou bala no vizinho porque exigiu e não levou um beijo na boca.
E o troglodita austríaco ex-governador da Califórnia que chamou os brasileiros de mexicanos?
Somos todos xicanos mesmo, pode esculhambar.
Sem se cansar, defendeu a energia nuclear.
Eu, sinceramente, penso que devem instalar usinas lá para os lados de Hollywood – iria dar mais dinheiro do que filme.
E, com certeza, seria um estouro de bilheteria!
Hoje sofri forte preconceito em minha aula de hidroginástica geriátrica.
A colega, incomodada por ficar para trás na corrida, falou que aquela turma era para a terceira idade e quem fosse rápido que procurasse uma pista de F1…
Fui rir da vovó e engoli água!
Ai, o povo fala de Elizabeth que será enterrada perto de Michael.
Feliz da doida que viveu metade do que a inglesa de olhos cor de violeta.
E as maravilhas da desigualdade de renda?
Em São Paulo, você come fora, recebe a conta de 300 reais e paga só 50.
É só esperar a quadrilha que anda fazendo a limpa nos restaurantes.
Pague 50 para o bandido e dê banana para o restaurante.
Afinal, já dizia o ditado: “ladrão que rouba de ladrão…”
Se você não tem 50, o misto da padoca é muito econômico.
Peço um para mim e vem tanto queijo e presunto que alimento a cachorra e o gato.
Se é saudável eu não sei…

E eu apoio totalmente o blog da Bethânia. Se entrar na lei Rouanet, vou doar meu IR todinho para ela fazer rimas ricas…

Fragmentos

domingo, 26 de dezembro de 2010

Um passeio de barco. Uma água de coco em casa de caboclo.
De bicicleta, enquanto o helicóptero me inveja lá do alto.
Um passeio de barco só para colocar as mãos na água morna.
Eu me despedi ansiosa de 2010.
E, nesse fim, ele me deu um tapa de luva.

(imagine aqui qualquer foto bonita)

chegada

Passárgada e um helicóptero

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010
Milhazes de carnaval

Milhazes de carnaval

 

Esse não é um blog político.
Não é de notícias.
Ele é, como sabem, descabelado. Sem foco. Sans souci.
Nada do que é dito é verdade. Nem mentira.

De quando em vez, o blog surta.
Como agora.

                    oOoOoOoOoOoOoO

O que vocês acham de uma Igreja que cresceu com dinheiro de doações de fiéis virar um grupo de comunicação, o segundo maior do Brasil?
O que vocês acham de esse grupo publicar fotos de funcionários acidentados em trabalho (um morto, outro em estado grave)? Fotos de RH, fotos de crachá…
O que vocês acham desse grupo divulgar “as últimas imagens feitas do helicóptero” – aeronave que rodou, rodou até se espatifar no Jockey de SP?
O que vocês acham do apresentador, com falso ar choroso, dar a notícia e rodar 7 minutos de imagens?
E aos 6 minutos e vinte e um segundos perguntar para a equipe de produção os nomes dos profissionais acidentados?
Você chora ao vivo por alguém cujo nome você não sabe? E quando esse alguém é seu colega de trabalho diário, você sabe o nome dele?
Você mostra imagens de uma aeronave trepidando durante 7 minutos? Imagens de nada vezes nada?
Você faz disso uma ferramenta para conseguir audiência?

oOoOoOoOoOoOoOoOoOoOoOoOoOo

Vou me embora para Passárgada.
Lá trabalho de garçonete no Squat.
Onde todo dia bato papo com o Magoo.
Uso calça de Bali de manhã.
Faço aula de artes na Fafich velha.
Na volta, tomo sorvete no Hot&Cold.
Uso camiseta de banda de rock cortada.
Tenho um tamanco holandês que é chévere.
Na sexta, Praça de Santa Tereza.
Som na Broaday (sem “w”).
Termino a night no Bolão.
Já conheci gente pelo 147!
Algumas vezes, Pop Pastel. De lá, Blue. A melhor caipivodka de um real.
Sábado de tarde, Cogumelo – para saber as novidades do Overdose.
O Sepultura arranhou o disco dos caras e fez sucesso nos States.serpentina
Passo no Geraldo da Pop Rock e pego o novo do Pizzicato Five.

Vou me embora para Passárgada.
Quando dá fome, Maleta.
Quando dá sede, cerveja.
Quando tem Fit, Fid, é grátis. Tudo e todo mundo lá.
Gosto do Galpão.
O Nino Andrés fotografou.

Vou me embora para Passárgada.
Lá sou amiga do rei, do mendigo e do dono do bar.
Lá assisti  show dos Ramones num estábulo.
Lá tomei e devolvi uma de direita no Nick Cave.

Fui.