Posts com a Tag ‘mentiras’

Honestidade

terça-feira, 4 de agosto de 2015

A diferença entre o que você pensa e o que você faz.
A diferença entre o que você faz e como você se responsabiliza por seus atos.
A diferença que gera buracos profundos e constrói muros intransponíveis.
Gaza, Berlim – nada tão “simples”, tudo cada vez mais distante.

Pessoa escreveu que “a maioria pensa com a sensibilidade”, e que ele “sentia com o pensamento”.
Eu entendo Pessoa.
Nos meus mundos de letras, idéias e elucubrações, eu vôo.
No mundo de terra, água, ar e fogo – eu me dou uma pausa.

Quando eu ajo, eu sou mais do que apenas humana.
Eu sou uma força capaz de mexer com a estrutura dos átomos.
E eles sempre se rearranjam.
Isto se chama “Teoria das colisões”

Porque a gota de água que cai do seu copo muda a estrutura do mundo.
E uma coisa leva a outra até que um tsunami nos leva a todos.
Mas somente uma certa fração do total de colisões tem a energia para conectar-se efetivamente e causar a transformaçao dos reagentes em produtos

O pensamento não é produto.
O pensamento flui em outros mundos.
A ação é fato.
Ela é escrita na pedra.
Assinada com sangue.
Ela não volta no tempo.

Só quem volta é o pensamento.

E eu, por aqui, me basto.

No legacy is so rich as honesty.
William Shakespeare

Eu sou exatamente o que você não vê

Por uma mentira bem contada

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

instantâneo

Então está combinado: vamos fazer uma faxina na rampa do Planalto.
R$80,00 a diária.
Nos últimos tempos tenho me assumido péssima recrutadora de um tipo peculiar de profissional.
A falta de regras, o mercado selvagem fez com que todo tipo de gente busque a vaga.
Sem especialização ou realmente experiência, todos precisam de um lugar ao sol.
E o que acontece?
Eu sou boa de perguntas e descubro – embora não queira saber:
– que a pessoa tem problemas com a justiça porque bateu em um padre (!),
– que o candidato desistiu do último emprego porque o patrão era um viciado em drogas e, além de tudo, ele não o deixava ver televisão enquanto trabalhava,
– que o último patrão não pagou tributos e acabou fazendo um acordo com a pessoa por um quinto do devido (?);
– que veio para entrevista de ressaca…
Não sei se é o momento, mas preciso de um tempo.
Realidade demais me chateia.
E não sei de onde tirei o “talento” de arrancar verdades.

Peço aos santos que me enviem candidato bom de mentiras para eu acabar com essa história de vez.

Please.