Posts com a Tag ‘misandria’

Quando não evoluímos

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Eu tenho visto essa série de propagandas e, cada vez que essas humoristas aparecem em minha telinha, xingo um palavrão sem depilação.
Para mim, publicitário é tudo, menos bobo.
Afinal, tem que ter um certo talento para fazer o cliente pagar e aprovar pelos devaneios da criação.

Como mulher com um toque declarado de misandria, detestei essa propaganda.
Que coisa sexista, atrasada, estúpida.
Mulher evoluída é aquela que ataca o sexo oposto?
Mulher evoluída acha que homem tem que fazer faxina?

Em tempos de grana curta e empregada doméstica virando profissão em extinção, pensei que um produto de limpeza viesse para facilitar a vida de homens e mulheres que não têm tempo nem paciência para uma faxinão da dona Maria…
Ledo engano: produto de limpeza serve é para esculhambar as questões de gênero.

Para mim, as mulheres confundiram tudo quando tentaram ser… Homens!
Quiseram trabalhar mais e melhor, colocaram a prótese peniana na mesa e excluíram os homens do jogo.
Os homens, por sua vez, ficaram fazendo aquele papel de PSDB: depois de curtirem o poder, perderam a mão.
Não se posicionaram e viram uma parte do eleitorado debandar…

Estes novos comerciais mostram que queimar soutiens foi uma tremenda besteira.
O lance é botar uns contra os outros.
E, se você for gay ou simpatizante, tem tudo para fazer a turma hétero comer poeira enquanto se engalfinha na rinha do nosso quintal.

Apertem os cintos, a guerra dos sexos vai aparecer em versão reloaded em tamanho P, M, G, XG.

Surfistinha e outros quetais

domingo, 13 de março de 2011

Sim, fiz um programa típico de paulistano-classe média que atenta contra minha natureza selvagem.
Fui a um desses “plex” da vida e, loucura das loucuras, disputei um assento para ver um blockbuster trash.
Fui ver os peitos bonitinhos e siliconados da Deborah Secco (ou seria seca?).
A moça faz o que sabe: caras, bocas, peitos e bundas.
A platéia, “classe-média-no-shopping-que-tem-como-hobbie-ver-vitrine-de-loja-de-carro-importado” suspirava, ria fora do tempo e não teve vergonha de dizer em alta voz que queria ser figurante no filme. Afinal, todos os figurantes do sexo masculino tiveram uma missão: tirar a roupa e se enroscar com a atriz principal devidamente pelada.
E eu esperava outra coisa?
Não!
Mas a realidade supera a expectativa.

Misandria

Saindo do óbvio, o filme é um libelo feminista.
O tempo todo, a moça é puta e quer ser puta.
Nem o coroa bacana, encarnado por um gordito Cassio Gabus Mendes, a convence, depois de uma overdose, a deixar o metier.
Bruna/ Raquel/ Deborah, escolheu a profissão e tem orgulho disso.
Os homens, nenhum no shape de Deborah, mostram-se crus e pequenos ao estarem nus: são gordos, bigodudos, peludos, flácidos, magros, carecas, sem graça, são os manés que pagam para serem usados e descartados.
Que o diga o colunista de O Globo, Joaquim Ferreira dos Santos, que escreveu uma coluna tipo diário de adolescente exaltando a “coragem” de Deborah Secco.

Bobos, babões, com taras pueris, eles topam pagar por que, ao que tudo indica, faltam-lhe culhões para a vida de fato.
Fora da tela, realizados depois de hora e meia de Secco pelada, eles comentam sobre a gostosura da atriz e sobre o sonho de viverem alguns minutos a fantasia de serem figurantes do filme.

Eu saio rindo e prestando atenção.
Os que não conseguem fazer duas coisas ao mesmo tempo.
Os que sonham e os que gastam os cobres com uma noitada de sexo pago.
Os que queriam ser figurantes ao lado da Deborah Secco.

Sexo frágil em pleno século XXI.
A vida não deve ser fácil