Posts com a Tag ‘Sarney’

O nome dela é Caster Semenya

quinta-feira, 20 de agosto de 2009
Responda rápido: qual das moçoilas parece homem?

Responda rápido: qual das moçoilas parece homem?

A sul-africana arrebentou nos 800m. Chegou 2s45 à frente da segunda colocada nesta corrida.
E tem só 18 anos.
Diferente, foi acusada de ser… Homem.
Nenhuma adversária foi cumprimentá-la depois da prova. Recebeu um único abraço: o da bandeira sul-africana.

A polêmica já começou nas eliminatórias. A queniana Jepkosgei liderava uma bateria quando foi tocada por Caster Semenya na última curva. A queniana sofreu uma queda e foi eliminada. Conseguiu no tapetão participar da final. Para perder – sem tombo.

Ser diferente.
Não ser mignon. Não ter o nariz da fada sininho. Não ter a pele alva.
Não fazer biquinho para falar.
Não ter os cabelos lisos e sedosos e louros e brilhantes.
Não comer pouco.
Falar palavrão.
E, além de tudo, ser a melhor do mundo.
Aí ferrou.
Ser diferente, negra e boa para caramba?
Só sendo homem.

No meu caso. Não consegui ser a melhor do mundo. Em nada. Risos.

Voltamos a minha última obsessão
(gosto da tradução do Houaiss – ■ substantivo feminino
1 Diacronismo: antigo. suposta apresentação repetida do demônio ao espírito)

Madonna.

Onde Sean, Carlos e Guy erraram? Onde Jesus acertou?

E voltamos às diferenças. Se uma diferença pesa muito, ela separa? Ou o momento atenua?
E, de fato, existem semelhanças?
Eu não tenho a menor vergonha de dizer: tenho pavor de encontrar meu clone.
Imagine alguém como eu. Seria um horror, um inferno.
Mas meu oposto também é um pesadelo.

Em 2002, voltei ao Brasil com uma sensação muito nova no peito.
Queria fugir. Para algum lugar. Para fora do planeta.
É sério.
Depois de uma longa temporada na ilha de Fidel, vendo gente pobre e instruída sofrer de falta de liberdade, os Estados Unidos se preparavam para invadir o Iraque. E invadiram no dia do meu aniversário: 19/03/2003.
As Torres ainda ardiam nos olhos de Bush. E o petróleo corria em suas veias.
Hoje, abro o jornal: 95 mortos no Iraque. Medo de votar no Afeganistão – moradores temem ataques dos Talebans. No Rio, duas inglesas condenadas por dar o golpe da mala roubada (para receber o seguro). Na política, ex-presidente escapa de acusações pesadíssimas. No barato, o cara usou (muito) dinheiro público em benefício próprio. No esporte, campeã da corrida é suspeita de ser homem.

Quando é que os caras começam a vender passagem para Marte? Eles aceitam vale-transporte? O carro como entrada?

Política não é religião

quarta-feira, 20 de maio de 2009

comuns
Clóvis Rossi, hoje, na Folha, merece destaque e reprodução de um trecho:

“Alguém aí ouviu Michel Temer ou José Sarney falarem em renúncia ante a catarata de escândalos que afeta ambas as Casas do Congresso? Ou, ao contrário, ficam ambos quietinhos, na moita, esperando a onda passar, na certeza de que a tal de opinião pública esquece logo ou está (sempre foi) acomodada demais?
Já os ingleses reagiram de diferentes maneiras. Houve quem atirasse um tijolo nas vidraças do escritório de um MP. Não recomendo, não só porque sou pacifista como porque, aqui, o congressista cobraria do Tesouro o conserto.
Outro eleitor mandou flores em formato de libra esterlina para o representante eleito por seu distrito.
Enfim, o público tira o bumbum da cadeira e vai à luta. O Parlamentar não consegue se lixar para a opinião pública, porque ela não é apenas virtual, como no Brasil.
Tanto não consegue que o primeiro-ministro, Gordon Brown, já está anunciando mudanças nas regras do jogo, com a criação de um organismo regulador independente para vigiar os gastos. E vocês, queridos Temer e Sarney, vão continuar se escondendo?”

Quem não está por dentro do caso dos ingleses, por favor… Vá se informar! Entre já no site da BBC e leia tudo sobre o assunto. Eu fiquei sabendo antes porque meu padrasto está passando uma big temporada por lá e foi contando como o povo estava em fúria contra os parlamentares. Que inveja!

E o presidente da Casa dos Comuns, o que se demitiu ontem, era considerado um cara decente. Foi por isso que entregou o cargo. Detalhe, a última renúncia de um presidente do Parlamento aconteceu em 1695 – e o motivo? Recebimento de propina.

O que escreveu o repórter da BBC que só cobre o Parlamento? “Many at Westminster say Michael Martin is a kind and decent man

Faço minhas as palavras do Rossi:  E vocês, queridos Temer e Sarney, vão continuar se escondendo?

Gente, o que estamos esperando para tirar a bunda da cadeira? Eu, sempre que posso, dou meus barracos anti-politicagem. Risos.

Já aplaudi o cidadão que, ao ver o Pitta no restaurante Carlota no Rio de Janeiro, disse que ele não poderia jamais estar naquele lugar, ao lado de trabalhadores que pagam seus impostos. Já questionei o ministro Berzoini em entrevista para a Globo (vcs acham que eu mandei repórter? Fui eu mesma, editora, gravar a entrevista) e ele ficou danado com minhas perguntas. Disse que não responderia nada pois não tinha informações naquele momento. Já vi discurso do Lula para o MST falando que eles deveriam invadir bancos e casas dos ricos… E fui à comemoração da vitória dele na Paulista. O povo chorava, eu pensava outras coisas com os meus botões. É, meninos, eu vi.  E não estou com a bunda na cadeira.

Voltando ao mundo mundano, a top (?) Isabeli Fontana  foi autuada pela Receita Federal em R$ 6,5 milhões por sonegação de impostos. O advogado dela, Eric de Carvalho Ferreira, diz que a moça recebe a maior parte de seus rendimentos nos EUA e lá paga os impostos. Se, depois da compensação, ainda for apurada uma dívida, ela pagará, diz o advogado.
Sinceramente? Modelo faz cara de boba, mas olha só… Para quem vive de imagem é, no mínimo, um deslize. E eu pelejando para pagar o IR-2008.

E voltando ao meu umbigo, ando meio tantã. Ontem fui para o chuveiro da academia levando o meu celular. E só notei a façanha depois de abrir a água o chuveiro. Olha o Quiroga o que me diz hoje:

Apesar das inúmeras pessoas que andam por aí, ao seu redor, sua alma sente aquela ponta de solidão inexplicável. Veja nessa sensação o sinal de ser necessário observar melhor a natureza do caminho e dos relacionamentos.

Mas está na cara. A minha vontade de sair correndo e nunca mais voltar diz tudo.

Tomar banho com o celular?

Tenho que tirar a bunda da cadeira nesse quesito.

E beleza deve ser a apresentação do pianista francês Michel Dalberto. Assim como nosso Nelson Freire, ele começou a dedilhar o piano com 3 anos de idade. Domingo, em Campos do Jordão, ele é o solista do Concerto em Sol, de Ravel.

photo-160

Momento rolinho e batom latino