Posts com a Tag ‘Saturno’

Anéis de saturno

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Parei na banca.
Água de coco (preferia um chopp – mas as 8h da manhã, melhor não me exibir).
A vista embaçada de calor.
A cabeça queimando.
Tirei o tênis.
O vendedor perguntou se eu era gringa.
Falei que sim: alienígena de Órion.
Ele não discutiu se a constelação do equador celeste era habitável.
Disse que nasci em Bellatrix.
Ele perguntou se nevava por lá.
Dei de ombros e expliquei ser tudo culpa de Apolo.
Pobre Artêmis, chorei.
– Mas, encerrei a conversa, a 240 anos-luz da Terra o azul espectral compensa.
Ele fez que sim com a cabeça, perguntou se queria outro coco.

Descalça.
Com areia nos cabelos, corri para dentro de casa.
Ar-condicionado: 24°C.
Em menos de dez minutos, saí do planeta.
Dizem que os anéis de Saturno são feitos de gelo, poeiras e material rochoso.
Eu desconfio que haja algo mais.
Se você estiver em Botswana, conte-me como é ver estrelas brilhando de noite.

A melhor época do seu ano

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

They always say time changes things, but you actually have to change them yourself.
Andy Warhol

Ne terminadas as chuvas que inundaram nossa virada do ano, começam a surgir as histórias de novos tempos.
Trabalho novo, filho que chega, gente que muda, casais que se formam, viagens.
Este período de pré-carnaval é o das inúmeras possibilidades.
É aquele momento em que o ano promete ser tudo e nós ainda não estamos cansados para desistir.

Sobre carnaval, vale uma palhinha inspiracional.
A festa surgiu na Grécia antiga, quando Pisistráto oficializou o culto a Dioniso, no século VII a.C.
Em Roma e na Grécia, a sociedade já era organizada em classes com rígida hierarquia e a mobilidade social era complicada.
A festa pagã surgiu como uma grande válvula de escape institucionalizada: bebidas e orgias, inversão de papéis – neste período, tudo era permitido.

Ao todo, eram quatro celebrações, em Atenas: as Dionísias Rurais, as Leneias, as Dionísias Urbanas ou Grandes Dionisias e as Antestérias, se estendendo de dezembro à março.
Em Roma, o homenageado era Saturno, deus da agricultura (Cronos em grego) que defendia a igualdade entre os homens.
Saturno, expulso do Olimpo, chegava com os primeiros sopros do calor da primavera e era saudado com festas e um período de liberação das convenções sociais.
Durante as chamadas Saturnálias, os escravos tomavam os lugares dos senhores.
Tribunais e escolas permaneciam fechados.
Depois dos excessos, a festa acabava com a lavagem das casas.

Nem preciso dizer que a Igreja Católica torceu o nariz para esse momento de anarquia anual e que só incorporou o carnaval em 590 d.C.

Pois então: prepare-se para o momento em que tudo será permitido.
Não interessa classe, gênero, conta no banco, estado civil, regime político.
Os meses de janeiro ou março são os mais interessantes.
As possibilidades se abrem sem impedimentos ou amarras e o ciclo se fecha com uma grande festa/catarse de 4 dias.
Pense nisso.
E vire outro na quarta-feira de cinzas.