Posts com a Tag ‘sono’

Cannolis

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

 

doce açúcar café

doce açúcar café

Siciliano, puro açúcar.
Doce com ricota, limão, chocolate ou baunilha…
A Itália tem sotaque bem mais doce no Bixiga.

Tomo café turco a seco.
Muitos projetos interessantes para quebrar paredes e derrubar muros.
Direto, sem rodeios.
O cacife é sempre alto e restritivo.
Como eu gosto do perigo.

Dias de pouco sono, muitas idéias e um turbilhão de coisas.
De Converse verde, salto ou tênis para praticar esportes.
Meias, malhas, vestidos justos ou de pernas nuas.
O calor deixa o frio em São Paulo.

E eu sinto a primavera chegando.
Com todas as flores num ramalhete único.
Uma delas deve durar mais que as outras.

30 minutos

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Do que você é capaz?
Fazer salada, massa e sobremesa.
Tomar banho, ir ao banco e ainda chegar cedo para a reunião?
Ir de metrô, ônibus e táxi?
Bicicleta?
Ouvir Marvin Gaye até debaixo d´água?

Enquanto ministros caem por aí, eu mesma tomei um tombinho.
Ando de bota ortopédica para lá e para cá – até que me esqueci da dor e calcei, distraída, uma sapatilha de balé.
Dar uma voltinha no quarteirão e fugir da chuva.
Melhor analgésico não há.

São Paulo com calor fica assim tão diferente.
Parece sorvete de japonês – enclausurado em massa frita.
E eu? Pareço sorvete.

eu pareço

Catavento

domingo, 23 de outubro de 2011

pêlos

As flores de lá duram menos.
Aqui, voam idéias.
Se não fosse Santos Dumont, seria outra esta história?

Haveria cartas como as de 1999?
Menos dores de estrada, mais chás, cafés, mais sono, rede, maisena?
As luzes, quem as acenderia?
Os passarinhos encontrariam a janela?

Descontrolo tudo através da pequena tela.
Reencontro as cores, telefone.
Futuro?

Avião.
Tão incerto.
Quase sempre acerto.
Perto.

Fim de domingo.
Sempre que não penso,
(In)tenso.

Multitarefa

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Em computação, Multitarefa é a característica dos sistemas operativos que permite repartir a utilização do processador entre várias tarefas aparentemente simultaneamente.
Wikipédia

autorretrato em um momento de folga

Na vida dos mortais, é não dormir mais do que duas horas, dar comida para o gato, para o cachorro, lavar as toalhas de banho, cuidar do pequeno, e, quando der, fazer o café da manhã.
Receber o amigo, amarrar a coitada no carrinho e levar a cachorra para uma volta simples até a esquina (e, depois, ver a cara de decepção dela).
Faminta, tomar café por volta de 11h, almoçar às 16h30, rezar para o pequeno não acordar, tirar o lixo, passar pano, aspirador, tomar banho correndo enquanto deixa roupas de molho.
Baixar os jornais que não vai ler e, também, alguns textos sobre matemática financeira.
Fazer uso de sua habilidosa leitura dinâmica.

Pensar em inglês, escrever em espanhol, sonhar em português. Pirar em francês.

Adiantar um trabalho que era para ser entregue no dia 16 porque acha que essa será sua única janela de tempo para fazer algo apresentável.
Antecipar o medo de ter que usar uma HP-12C. Ah, se fosse “apenas” para consultar um livro de antropologia ou para tentar decifrar Albert Camus.

Cansada, enclausurada e com a cabeça em outras paragens.
Quero ver um computador dar conta de tudo isso.

Carango

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Hoje foi dia de acelerar nas curvas.
Carro limpinho e chuva.
Carro com ABS ajeitadinho.
Corrida maluca o dia todo.
Discurso na sala de espera.
Pelo fim da espera!
Gracinhas por aí.
Meu nariz vermelho saiu da toca.
Compras loucas para evitar a chatice na viagem.
Calor.
Sorvete.
Sono.
Boa noite.

Lar e pizza

domingo, 9 de janeiro de 2011

ponta-cabeça

A mesma casa.
Nem sempre as mesmas coisas.
Na velha fotografia, faltam alguns elementos.
Eu ainda não consegui desfazer a mala.
(Anote: duas vezes em uma vida)
A mesma pizza.
A geladeira que descongelou.
A vizinha que guardou a comida.
A comida que estragou.
Uma vontade louca de arrumar tudo.
Jogar creolina.
Acender fósforo.
Queimar a empregada.
E uma preguiça só de pensar.
A mesma cama e um sono ainda maior.
Deixa para o domingo.
Casa.
Disseram que iria fazer sol.
E fez.

Então feche a cortina.
E abra os olhos.