Posts com a Tag ‘texto’

Aquecendo

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Mudando a fórmula

Aquele texto desaforado mexeu comigo.
Dia 13 de novembro e meu salário nem deu sinal.
Meio que perdida numa São Paulo escaldante.
Com unha quebrada, cabelo desalinhado, pijama…
Você finge que me paga e eu não finjo que trabalho.
Cumpri as obrigações matinais e falei para o táxi: me larga em Osasco.
Liguei meu celular, reforcei o laço do tênis e dei uma volta acelerada.
4km e saí pela rua.
5, 6, 7…
Um engarrafamento monstro de toda santa manhã.
Eu correndo e os carros parados, vidros fechados, ar condicionado no último número.
Seu texto do avental e eu pensando que iria rir naquela situação.
Escrevo um texto , um soco em inglês e salvo a mais necessitada do time.
Depois me atiro em meu jardim e passo o resto do dia com as mãos sujas.
Minha Babilônia.
Grama, terra, erva, água, sabão, cheiro de peixe.
Resolvo fazer um molho de tomate alla mamma.
Vou a feira.
Não tenho dinheiro, mas todo lugar aceita Visa.
É a Copa.
3 kg de tomates italianos vermelhos como sangue.
Lá fora o sininho se agita.
Abro uma garrafa de tinto.
E vou aos poucos esquecendo da realidade.

Ando (sempre) virada

sábado, 29 de dezembro de 2012

Durmo pouco, escrevo nada – penso em mil textos e deixo o vento levá-los sem publicar.
Vejo o agito do Rio.
O calor das Minas.
As chuvas em São Paulo.
Ando vermelha nas costas.
Muito banho de mar.
Com gritinhos para espantar o gelo desta água imunda que tanto me inunda.

Ontem entornei um Vouvray.
Eu consigo.
Penso em besteira.
Ainda.

Comprei sapatinhos de cristal para o ano que chega.
Vestidinho cor de champagne.
Vou, babe, perambular pelo Leblon perdida.
Vou de salto e bicicleta me desencontrar em Copacabana.

Desejo o fim das coisas.
Despejo o preto mais escuro.
Copacabada.
Copassambada.

Babe, ando imaginando coisas impossíveis com você.
Quero tudo transfigurado.
Posso tomar mais um gole…
Aí já viu.

Ano que chega, prepare-se.
Eu não te prometo nada.
2012, tranquilinho.
Você ainda dá um caldo.

De salto e bike.
Não duvide.

Mordo, corto, corro e grito