Posts com a Tag ‘Zeus’

Europa, pindaíba e Pindorama

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Foi na Grécia antiga que surgiu uma teoria curiosa.
Segundo ela, nosso corpo é constituído dos humores, quatro líquidos essenciais: sangue, bílis negra, fleuma e bílis amarela.
Hipócrates, justamente o pai da medicina moderna, derrapou na curva e comprou a idéia de que distúrbios da saúde seriam decorrentes do desequilíbrio entre os humores.
Galeno classificou os temperamentos de acordo com a predominância de tais líquidos.
Fleumático seria o indivíduo lento e apático; colérico, o enfurecido; melancólico é autoexplicativo.
Essa teoria seguiu firme no arreio até o século XVII.
De lá para cá, o homem continuou ateando fogo em moças bonitas; destruindo cidades; comprando muito gato por lebre no churrasquinho de porta de estádio; pirando na batatinha (até o tubérculo minguar no mercado) – e, dizem por aí, pisando no tomate e, quando sobrava tempo e a Rússia importunava, na Lua.
Se uma pulga acabou com um terço da população da Europa no século XIV, nós é que não vamos discutir se as tais Guerras foram “Mundiais” mesmo sabendo que, do lado de cá do Oceano, a pancadaria ficou restrita a cafés e botecos de frequência duvidosa.
O fato, meu senhor, é que eu ainda duvido dos tais efeitos (ou defeitos) da globalização, mas, para não ficar de fora, recorro de tempos em tempos aos intelectuais para entender qual é a bagunça da vez que ameaça as tangas dos nossos índios.

“Onde fica a Grécia?”. “Na Pindaíba.” Isso. Grécia, capital Pindaíba! Aliás, o capital tá na pindaíba! E diz que Atenas virou Apenas!
E os gregos foram pedir ajuda a Zeus. E ele mandou pro raio que os parta. Rarará! E esta: “Bill Gates quer que o Brasil dê dinheiro para os países pobres”.
Espanha, Portugal e Itália?! Eu não vou dar dinheiro pro Berlusconi gastar tudo em quenga.
(…)
Apolo vira gogoboy da The Week. Medusa transforma pessoas em pedras e vai vender na Cracolândia. Dionísio vende seus teatros pra Universal.
E uma turma de rancorosos e hipócritas quer que Aquiles trate seu calcanhar pelo SUS.
Tudo por Atenas R$ 1,99!
Ah, e Sófocles pegou um bico na Globo. Colaborar com “Malhação”! Rarará! E a Grécia é o berço da democracia: aí o Papandreou teve uma recaída democrática e ia consultar o povo sobre o pacote europeu e o G20 democrático quase mata o cara! Referendo? Nem refudendo!

Macaco Simão, Folha de S.Paulo, 05/11/2011
http://www2.uol.com.br/josesimao/colunafolha.htm

Não adianta negar: no Brasil, tudo acaba em piada. Seja de português ou não.
Grécia, Berlusconi, Obama, crise… O que vier a gente traça.
E pergunto aos pesquisadores de plantão: de onde veio esse humor todo? No caso acima, veio da Grécia…
Rimos das desgraças alheias, rimos das nossas, colocamos em público tudo o que é privado.
E assim somos.
Jamais me esquecerei da missa no interior: eu estava com 11 anos e prestava atenção na preleção sobre adultério.
Depois de explicar o que dizia a Bíblia, o que falaram os apóstolos, Jesus e toda a turma do evangelho, o padre quis dar um exemplo.
E apontou para um casal.
“Todo mundo sabe que a fulana tem um caso com o vizinho. E o fulano está lá, casado, cumprindo com as obrigações de marido, corno manso mesmo”.
Fazer o quê a não ser rir?
Foi a preleção mais honesta da paróquia – e o corno manso, confirmando a piada, mais uma vez pagou a conta.
O nome do fulano?
Papandreou.

Tem fogo?

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

panda-matches

Até agora a yoga é um projeto. Será que farei só uma vez por ano?
Eu tenho pensado muito sobre mudanças.

Qual é a mola propulsora dessas guinadas que nos viram do avesso?
Um gesto? Uma palavra? Uma situação? Um devaneio impensado?

Depois da minha amiga Guta, e da Dedé Sendyk, eu sou a pessoa que mais viaja nesse pedaço. Quer checar? Vá no mapa do lado direito do blog e clique. Estão ali as viagens que fiz de janeiro até agora.

Então, seguindo esta lógica, uma viagem não é desculpa para acionar uma mudança na vida.
Ainda mais uma viagem que é um repeteco constante.
Porém, minha última viagem transformou-se em algo que ainda não sei explicar. Só sinto que, ao atravessar o saguão do JFK e pegar o yellow cab, algo aconteceu.

Indo fundo – Mito de Pandora

* se vc já conhece a história, pule para o próximo tópico.

Segundo a mitologia, a Terra era sombria e sem vida. Os deuses começaram a dar vida e pôr cada coisa em seu lugar. Mas faltava um animal nobre que pudesse servir de recipiente para um espírito. A tarefa coube aos titãs Epimeteu (aquele que reflete tardiamente) e Prometeu (aquele que prevê).

Epimeteu criou os animais. Prometeu pegou terra e molhou com a água de um rio, obtendo argila. Com ela moldou um ser – ainda sem vida. Esse ser ganhou todas as boas características do animais, mas ainda faltava algo. Prometeu tinha amizade com uma deusa, Atená, que deu ao homem o espírito que lhe faltava.

Após ter destruído o próprio pai, Zeus voltou as atenções para a humanidade recém-criada e dela cobrava devoção, sacrifícios em troca de proteção. Em defesa do homem, Prometeu e Epimeteu foram a Mecone (na Grécia). Eles mataram um belo e imenso touro, partiram-no ao meio e pediram para que os deuses do Olimpo escolhessem uma das partes; a outra caberia aos humanos. O maior monte tinha apenas ossos e sebo. Com soberba, Zeus escolheu o monte maior e, ao descobrir que tinha sido enganado, decidiu vingar-se negando à humanidade o último dos dons que necessitavam para se manterem vivos: o fogo.

Com o objetivo de salvar sua criação, Prometeu roubou uma centelha de fogo celeste e entregou aos homens. Zeus decidiu se vingar. Aprisionou Prometeu na parede de um penhasco e suas vísceras eram comidas pelas aves de rapina. Como era imortal, a tortura se repetia todos os dias.
Antes de ser aprisionado, Prometeu deixou uma caixa com Epimeteu. E pediu que não deixasse ninguém se aproximar dela.

Para se vingar do homem, Zeus criou a mulher que recebeu qualidades de cada um dos deuses. Seu nome: Pandora. Zeus a enviou de presente para Epimeteu.

Ela o seduziu e Epimeteu caiu em um sono profundo. Pandora abriu a caixa e libertou quase todos os males que estavam lá. Amedrontada, Pandora fechou a caixa. Dentro dela ficou o último e mais importante mal: o que destrói a esperança.

Voltando ao universo particular

Nós mulheres somos amaldiçoadas pela mitologia, pelas religiões.
Por isso mesmo somos endemoniadas por natureza.
Não se aproxime. Risos.

Abrir a caixa de pandora, como se sabe, é liberar os demônios.
A psicanálise, a filosofia, a teologia têm explicações menos toscas do que as minhas.
Mas o fato é que havia uma caixinha de fósforos da marca Pandora em NYC.
E eu queimei vários fósforos.
(Acho que meus demônios de verdade foram libertados algum tempo atrás, quando decidi que iria fazer tudo errado e me jogar na atividade que me dá prazer: remar contra a maré e ainda ser establishment)
Eu entrei no avião cansada e cheia de pepinos para resolver e voltei muito plugada e com tuuuuudo resolvido.
E me atirei numa série de ondas agitadas sem medo.
Que sou meio shock and run, sou. Mas minha origem me segura. Sou das Geraes.

O fato é que tem muita coisa (boa) acontecendo.
Tô limpando a área. Tirando o(s) macaco(s) do ombro.
Dando um boot no HD.
Tirando os aplicativos que não uso.

E o processo – que tem leves baixos e muitos altos (!) – está bacana.
E eu estou me (re)encontrando. E descobrindo que não sou mais a mesma.

Uau.
Que demônios eu libertei?

Bilhete a Baudelaire

Foto criada em 2009-10-29 às 10.47 #2

Poeta, um pouco à tua maneira
E para distrair o spleen
Que estou sentindo vir a mim
Em sua ronda costumeira

Folheando-te, reencontro a rara
Delícia de me deparar
Com tua sordidez preclara
No velha foto de Carjat

Que não revia desde o tempo
Em que te lia e te relia
A ti, a Verlaine, a Rimbaud...

Como passou depressa o tempo
Como mudou a poesia
Como teu rosto não mudou!
(Vinícius de Moraes)