ACINTE

itiswhatitis

Estava demorando. Esse blog aprontou mais uma.
Depois de contar umas boas do nosso passado em post antigo, uma “amiga” ficou encrencada. Relacionamento abalado.
Os bastidores deram pano para a manga.
Confesso: não era a intenção, pelo contrário. Mas palavras ganham vida própria. Eu me responsabilizo. Eu aceito a culpa por contar o que aconteceu em dias incríveis.
E ela também blogou minha vida.
E errou em todas… Da minha suposta crise de relacionamento passando por outros temas espinhosos.
Eu confesso mais uma vez: adorei tudo o que ela escreveu. Mesmo tendo viajado.
Hoje recebo um email do tipo “não nego nada, mas vivemos mais coisas (?) do o que você contou. E isso abalou meu relacionamento e blablablá”.
E o namorido, uma flor de formosura portuguesa, ficou indignado com a mulher “exposta” no mundo digital.
Vem cá: a indignação foi com o blog ou que aprontamos no passado?
O meio ou a mensagem?

Olha, esse blog, como disse minha vó, é um Louvre.
Navalha na carne.

E como esse blog é assim.
Sem freio.
Sem vergonha.
Así somos.

Meu desenho do gambá persiste.
Meu melhor amigo da semana passada eu já esqueci.
E descobri um brother gringo-brasileiro: David Presas. Gente, eu sou o David de saias.
Alma gêmea total.
(embora ele tenha alguns anos de loucura a mais no cv)

E o dia pegou fogo. Cheguei minutos atrás do trabalho.
Tô devendo algumas coisas.
Mas minha mão estava coçando para vir aqui.
Cachaça.

Para quem ainda não sabe, Iggy Pop vai ensaiar pela primeira vez – depois de décadas separados – com os Stooges e aqui no Brasil.
Faz seu primeiro show com a antiga banda em Sampa e sai em tournè mundial.
Eu quero ir ao ensaio!
Quinta e sexta da semana que vem.

Iggy é um Baudelaire moderno.
Ambos meio tortos.

Ele continua um verdadeiro acinte.
Como eu.

1857 – publicação Les Fleurs du Mal. A obra rendeu a Baudelaire um processo pelo tribunal correcional do Sena; uma multa por atentar à moral e aos bons costumes, além de ser obrigado a retirar seis poemas (poesies damnées) do volume original, sendo publicado na íntegra apenas nas edições póstumas, em 1911. Baudelaire também foi alvo da hostilidade da imprensa, que o julgava um subproduto degenerado do romantismo.

Ô vierges, ô démons, ô monstres, ô martyres,
De la réalité grands esprits contempteurs,
Chercheuses d’infini, dévotes et satyres,
Tantôt pleines de cris, tantôt pleines de pleurs…

(Desconfio que a “amiga” eu perdi antes do blog. Bem antes.)

Baudelaire, espera que eu chego lá.

Foto criada em 2009-10-23 às 17.12

PAO, jamais!


Opção delícia
Opção delícia: comer em casa

Realmente, estou numa fase lunar bem louca.
Ontem – e nao tem muito a ver com os astros – saí estressada do trabalho.
Na verdade, nem peguei meu carro, larguei coisas para trás, a chave de casa, um saco.

Tudo porque a responsável por emitir passagens e outros quetais administrativos fez mais uma das dela.
Eu pedi uma passagem em cima da hora. Na quinta de tarde para ir na segunda.
A moça não deu notícia.
Quando chega 18h de sexta-feira, o pandemônio.
Tirou passagem no horário que não atendia, pediu hotel errado.
Aí, eu engrossei.
Essa moça já fez algumas: emitiu passagem para data errada (quando fui para a Colômbia, ela emitiu para um domingo e eu tinha que viajar na segunda – não contente, não me mandou o comprovante, e fiquei com a bomba no aeroporto).
Mês passado, me avisou com 2 horas de antecedência sobre um vôo que eu havia pedido há um mês para o Rio.
E ainda me colocou dividindo quarto de hotel – e eu paguei o hotel. Imagina nessa altura do campeonato você ter que dividir quarto com pessoa que não conhece (não sabia nem quem era) e a trabalho? No final, meu chefe me reembolsou… Mas eu fiquei chocada.
Agora, a moça queria que eu viajasse de manhã – em resumo, que não trabalhasse na segunda e ainda não levasse os brindes para 50 caras. E eu brigando para trabalhar… Mandando email para mostar que havia vôo em outro horário. Um estresse tão chato, uma pessoa tão sem noção. Tudo sem noção.

Enfim, depois dessa zica, vou para a revista porque estamos em fechamento. Dormi só às 2h da manhã. De agitação, de estresse.

Hoje, acordei com aquele humor do cão e, no intervalo do Francês, fui tomar café da manhã na PAO, uma padaria que era fofa.
Dono gente boa, produtos orgânicos, lugar pequeno e charmoso. Comida cara mas deliciosa.
Pois ficamos em pé, não tinha guardanapo, o banquinho que serve de apoio do lado de fora estava sendo trocado (no dia em que a padoca fica mais cheia) e nenhum funcionário moveu uma palha para nos atender direito. Belo jeito de começar o sábado.

Volto para o francês e pego uma troca de emails desaforados no meu blackberry.

Para tudo que eu quero descer.
Me devolve meu sábado de sol.

Quem nasce redondo não morre quadrado?

Photo 240

Eu tenho um signo, mas acho que combino mais com outro… Então leio os dois. E hoje es tava demais!

ÁRIES (21 mar. a 20 abr.)

Ótimo dia para você focalizar em projetos de grupos, participar ativamente de entidades, associações e clubes. Se você acredita numa ideia, defendê-la vai ser fácil. E, de quebra, persuadirá muita gente. Boas relações com estrangeiros. Viagens, publicações e estudos em alta.

PEIXES (20 fev. a 20 mar.)
Mire seu desempenho profissional com carinho hoje. Você ainda tem que terminar algo para se dedicar inteiramente a essa nova fase. Mas tem trunfos escondidos e eles sustentam seu ânimo. No fundo, se você tem fé no que faz, aguentará mais um pouco. Termine o que falta.

————————————–

E tudo correu assim: reuniões ótimas, idéias, idem, dia corrido (como sempre), coisas e novidades pintando. E, agora, chego em casa e veja o email de mama sobre o post em francês. E queria dividir com as mulheres, em especial, e com os homens de bom coração.

Veja só que interessante. Não te parece que este texto responde um pouco ao

questionamento suscitado pelo texto que você me enviou ontem?

A reportagem de ontem me fez pensar muito.

Eu venho dos anos 70, eu vi, eu vivi o tempo que começou lá. Fomos criadas

para sermos donas de casa, no máximo professoras primárias até  ou casamento

ou, esticando muito – mulheres de classe média – até os filhos chegarem.

Cumprimos metade do papel previsto para nós: casamos recém-saídas das

escolas – de segundo grau ou superior, não importa. Pensamos em casamento;

não pensamos em carreira.. E, casadas, ,  vimo-nos batalhando lado a lado

com os homens, no trabalho – aquelas que se aventuraram-, sem perder a

responsabilidade integral pelas tarefas domésticas (imagine como as mães

criaram seus filhos homens dos anos 70 – tudo na mão -; e o machismo

reinante), pagando também as contas.  E, de repente, muitas de nós tivemos

que batalhar sozinhas, sem maridos (ou até contra eles, os famosos ex),

pagando as despesas, cuidando da casa, criando e educando os filhos, e,

malgré tout, conseguimos formar famílias de verdade e nossos filhos viraram

gente! As coisas foram acontecendo e nós fomos respondendo a elas, à medida

que elas aconteciam. Não planejamos nada. Não nos preparamos para o que

viria.

Pense agora na sua geração. Vocês viram as mães lutarem valentemente e

valorizaram isto. Querem fazer carreira. Querem ser independentes. Querem

ser companheiras de seus homens, não femmes d’interieur (ou mères de

famille) (aprendi hoje, chic, não?). Tudo muito certo. Mas a balança, me

parece, anda pendendo muito para um lado só. E aí entra o pote de maionese

da história. Tudo aquilo que o artigo de ontem dizia, é estatística,

acontece. Mas estatística serve para a gente usá-la, não corresponde à

verdade; é fato, puro fato. Ora, o que é mais importante na vida de uma

mulher? Cada uma tem que descobrir por si, e encher o seu pote de acordo com

seu modo de ser, seus anseios, seus sonhos. Mas toda nós, mulheres somos

seres humanos; nossa estrutura, de seres humanos, homem ou mulher, não

importa, é uma só: somos seres de linguagem, seres-com-os outros no mundo,

seres finitos em busca de salvação perante o inexorável da morte, seres

livres e ao mesmo tempo condicionados pelo mundo no qual nascemos . Não

podemos fugir dessa estrutura ao enchermos o nosso pote de maionese.

Sua geração se defronta, então, com a necessidade da reflexão sobre o que

está acontecendo com vocês e da necessidade busca de um equilíbrio entre o

que vocês são, o que vocês querem e o que vocês podem. E não se trata só das

mulheres; trata-se dos homens também. Se homens e mulheres querem realmente

compartilhar suas vidas, eles têm que coordenar suas ações.

Que riqueza poder inaugurar um novo tempo, um novo modo de vida.

Nós abrimos a picada na floresta. Com facão, no escuro…

Vocês irão construir a estrada sob o sol, sem destuir as árvores, as flores

e o mais que se encontrar na linha do caminho a ser feito.

Coragem!

Beijos.

Mamma

Quinta é a nova sexta!

Trend setters
Trend setters

Eu e Fred somos suuuuuuper trend setters!
A gente não só prevê as tendências que ainda vão ser moda como a gente prevê o tempo.
Por exemplo, é só colocar nossas super botas from Scotland que vem chuva.
É batata.

Na Ponte do Brooklin fazendo pose de modelo. Carão!
dsc_0084

Agora dois momentos hilários.
Fred e Fred encomendando um terno no Bilal. E comendo com gosto os muffins gringos…
dsc_0006
dsc_0123

Desculpe a falta de assunto, mas se eu contar meu dia…

1) De manhã, relatório técnico de concorrência de Agência de Comunicação
2) De tarde, almoço com moça que busca emprego no mercado de alto luxo
3) Antes do almoço, bate-boca e cala-boca por telefone com a diretora comercial da revista
4) De tarde, levei um fora da Costanza Pascolato, que não quer mais escrever a coluna
5) Aí vai contar para a chefe a para o shopping
6) Fui ao salão, fiquei me sentindo muito melhor
7) Ganhei surpresas de Páscoa da Havanna
8) Liguei para amigos queridos
9) Escrevi no blog

Fui!

Che e outras elucubrações

12928-2008-08-25-23-49-31_1

Ontem fomos ver o filme estrelado por Benício del Toro.
Foi bom ouvir o sotaque cubano mais uma vez. Nem todos os atores conseguiram fazer.
Rodrigo Santoro, que vive Raul Castro, bem que tentou.
Mas deu umas derrapadas no espanhol que são passáveis.
Benício Del Toro está grande.
E me parece que o filme foi rodado na terra dele, em Porto Rico.
Mas os cenários são Cuba, Cuba, Cuba.
E nada mudou.
Isso é assombroso.
Os cubanos vivem num universo congelado.
Os meninos que pedem para fazer parte do grupo dos guerrilheiros se vestem como parte da juventude cubana se veste hoje.
E eu, que desci de paraquedas na ilha, fiquei o tempo todo pensando: deu no que deu.
E, paradoxalmente, senti saudades da ilha.
Quando morei em Cuba, tinha 27 anos.
Tinha dúvidas – e ainda tenho.
Tinha uma ousadia de largar o certo pelo incerto – e isso ainda passa.
Talvez seja eu.
Numa auto-sabotagem ou numa rebeldia genuína.
Tinha quilos a menos (!)
Tinha cabelo curto e uma vontade grande de fazer cinema.
E não gostava da esquerda.
Saí da ilha com ódio a Fidel – mais do que quando entrei.
Com pena e raiva dos cubanos – afinal, são corrompidos, perderam a pureza.
E com a certeza que o neoliberalismo é a única saída.
Prefiro morrer no caos, no olho por olho.
Do que amarrada a um regime que se pretende igualitário.
Que sofrimento maior pode ter um povo.
Que receber educação e instrução.
E viver preso numa gaiola?
Sou mais a ignorância.
Porque o buraco ainda é buraco.
Abaixo, algumas fotos de Cuba entre 2001 e 2002.

Minha estréia na direção - numa piscina olímpica vazia
Minha estréia na direção - numa piscina olímpica vazia
Dirigindo os atores com uma amiga de El Salvador, Maura
Dirigindo os atores com uma amiga de El Salvador, Maura

Fábrica abandonada pela família Baccardi
Fábrica abandonada pela família Baccardi

Dirigindo o 2 filme
Dirigindo o 2 filme

Com a família que me emprestou a casa
Com a família que me emprestou a casa

Em Baracoa com roupa típica
Em Baracoa com roupa típica

Moderna fábrica de roupas
Moderna fábrica de roupas

No set, montada
No set, montada

Como atriz, usando roupas de Morango e Chocolate
Como atriz, usando roupas de Morango e Chocolate

Com o diretor, Terence Piard, e uma arma de verdade
Com o diretor, Terence Piard, e uma arma de verdade

Uma venda, típica em Cuba
Uma venda, típica em Cuba

havanavieja
Como cubanos vigiam cubanos
Como cubanos vigiam cubanos

Carona em carro de boi
Carona em carro de boi

Granjita Siboney - para onde Fidel fugiu e quase dançou
Granjita Siboney - para onde Fidel fugiu e quase dançou

Papo en Passa Caballo
Papo en Passa Caballo

Distrações em momento de crise

photo-137

Você queria trocar de emprego…
Montar uma empresa…
Chutar o pau da barraca e voltar em três meses…

Aí veio a crise.
E tudo parou.
Ficamos suspensos, perdidos no espaço.

Henrique Meirelles, a nova Maria Antonieta do Planalto não acordou a tempo.
A sua empregadora, que navegava em velocidade de cruzeiro, puxou o freio de mão a 800km por hora.
Afinal, levante o braço a empresa gringa que não está passando a sacolinha no Brasil para pagar as dívidas em euros ou em dólares contraídas pela matriz!
E pode ficar de pé a empresa brasileira que não fez hedge fora da lei e tomou uma super dívida dolarizada!

Por isso, coleguinhas, não tem muito remédio.
É sentar e esperar.
E tem coisa pior?
Eu sou afobada por parte de pai. Impaciente por natureza.
DIRETO DA GAIOLA!!!

Minhas resoluções para esquecer que sou obrigada a ficar parada.

1) Estudar francês. Sexta de 18h30 às 22h.
Troquei minha tradicional pizza no Bráz por leçons retardées en faisant bouche de baiser
E

Não pegou? Adote a aula de francês. É batata!
E adiante o chopp da sexta para a hora do almoço.
Assim a hora de ir embora chega mais cedo… E vc fica com aquele ar meio letárgico que é ótimo…

2) Gastar o dinheiro que não tenho para passar um fim de semana em NYC

E eles dividem o lanchinho...
E eles dividem o lanchinho...
Faz três dias que fico no site da Amazon, no da Bed, Bath & Beyond vendo coisas incríveis para comprar sem ter grana. Meu must wanted é o aspirador robô versão especial para pet. Ele faz tudo e você só olha… 300 doletas pela maravilha.
Outra delícia é entrar no site da MET e selecionar assentos para as óperas. Preço per capita? 400 doletas.
Já tentei os eventos grátis da Barnes & Noble, mas não tem nada interessante.
Uma peça off-Broadway também consumiu meu tempo…
Mas só vendem ingressos com uma semana de antecedência.
Então guardei o momento de gastar o tempo para semana que vem.
Um tênis de corrida da Mizuno – considerado o melhor de corrida – por míseros 80 dólares. Enfim, são milhares de distrações consumistas que vão bem na crise.
Só não compre nada!!! Se não você fica mais preso à situação que te consome…

3) Escrever no blog
É relaxante, engraçado e toma tempo.
E faz a gente rir da própria desgraça…

4) Ler blogs freaks.
Acreditem: tenho uma prima que é a mais freak. Só de ler o blog dela, penso que ela pode ser presa. Ela é nazi total. Escreve barbaridades sobre o Brasil e os brasileiros. É tão louca, tão agressiva e tão mané que diverte…
E isso porque mora fora, trabalha num banco gringo – hello, a crise te pegou!?

5) Correr na esteira vendo David Letterman ou Em cima da Hora, da GloboNews.
É tanta besteira e tanta desgraça que você começa a agradecer.
Obrigada por estar numa situação desconfortável, porém remunerada…

6) Colocar as consultas em dia
Afinal, ir ao médico é um direito e uma obrigação.
Eu, depois de viajar nove vezes só esse ano, consegui ir no endócrino, na nutri, na gineco e na dentista.
Penso agora em uma nova lista: dermato, psico, geriatra.
Fora que os médicos – os picaretas que geralmente atendem o meu plano – sempre acham uma doença para que vc mude o foco.
Vc tem uma infecção e precisa tratar. FALSO.
Vc tem problemas na tiroide. VERDADEIRO – Mas não tenho efeitos colaterais.
Sai a vida profissional e entra a saúde.
Essa é uma dica esperta!

7) Sábado e domingo
Já virou um mantra. Eu acordo mentalizando o sábado está próximo, o sábado vai chegar
Minha meta atual é o sábado.
Tudo em função dele.
Ele é meu rei.

Bom, vamos parar no sete porque estou atrasada para o francês… Fui!

Blog no ar

Agora sim, é para valer! Blog novo no ar.
Para mim, 2009 começa…
Não deixem de ver o foto-post com Alice e sua vida de cão…
Ai que inveja.
Eu queria ser meu cachorro.
Comida maravilhosa 3 vezes por dia.
Passeios, duas vezes – pelo menos.
Banho – uma vez por semana. French dog.
No mais, mais um dia no escritório.
Com a cabeça voando, voando…
E o post tem que ser rápido.